Skip to main content

Canhão El Cristiano.

A Guerra do Paraguai (1864-1870) foi uma das mais violentas guerras no Continente Americano, que teve como integrantes a Tríplice Aliança, que era composta por Argentina, Brasil e Uruguai contra o Paraguai. O Brasil entrou na guerra depois que teve o navio Marquês de Olinda aprisionado no Rio Paraguai e a invasão das tropas do Paraguai no Mato Grosso, enquanto a Argentina declarou guerra aos paraguaios, depois da invasão dos mesmos na região de Corrientes.

As causas para a Guerra de acordo com a nova historiografia, não é mais por causa do Imperialismo da Inglaterra, e sim devido ao processo regional no Continente, onde o aspecto geopolítico e econômico são importantes para o entendimento para o conflito.

A visão sobre o aspecto geopolítico tem início na política interna do Uruguai, onde no momento o Partido Blanco estava no poder, e o Brasil que tinha uma parceria com o Partido Colorado, se prepara para uma intervenção na sua antiga colônia Cisplatina, conquistou a independência sobre o Brasil em 1828, para reconduzir o Partido Colorado ao poder. O Partido Blanco, através do apoio brasileiro aos Colorados, busca apoio dos paraguaios, para tentarem se manter no poder. O Paraguai enxergava na relação Brasil, Argentina e Uruguai (Partido Colorado), um isolamento político na região e através disso, a necessidade de demonstrar sua força aos países vizinhos.

Em relação ao aspecto econômico, a questão no Uruguai também é o causador, devido o Paraguai desejar ter acesso ao mar. Para isso, havia a necessidade de utilizar os portos da região, como o Porto de Buenos Aires era difícil, devido às relações ruins entre a burguesia mercantil da Capital Argentina e os paraguaios, o Porto de Montevidéu era de grande valor para integrar o Paraguai ao comércio mundial.

 

O início da guerra aconteceu quando o Paraguai invade as regiões do Mato Grosso e do Rio Grande do Sul no Brasil e a de Corrientes na Argentina, desencadeando o Tratado da Tríplice Aliança (1865), entre Brasil, Argentina e Uruguai, que após um conflito no País, com a ajuda do Brasil, colocou de volta ao poder o Partido Colorado (Venancio Flores).

A Guerra do Paraguai, chamada também de Guerra da Tríplice Aliança, principalmente na Argentina e Uruguai, teve depois das invasões do Paraguai, um momento de conquistas da Tríplice Fronteira até 1866, com a saída das forças paraguaias do Brasil e da Argentina e com as vitórias de Riachuelo e Tuiuti, uma das grandes vitórias dos aliados.

Passagem de Humaitá, 1886 (Victor Meirelles).

Os anos de 1866 e 1867 foram de algumas derrotas e estagnações das posições das forças dos Aliados, no qual somente no segundo semestre de 1867 e no ano seguinte as tropas dos Aliados conseguiram ultrapassar as Fortalezas de Curupaiti e Humaitá respectivamente. Esta última fortaleza que foi de difícil acesso às forças aliadas, tinha como uma das principais defesas a Bateria Londres, no qual contava com o canhão de guerra “El Cristiano” (O Cristão), que pesava 12 toneladas e que tinha sido fundido com o bronze de sinos de igrejas do Paraguai, motivo do nome dado ao canhão.

Bateria de Londres em Humaitá.

Com o fim da Guerra do Paraguai e a vitória dos Aliados, as Forças Armadas do Brasil trouxeram alguns espólios de guerra, como documentos, troféus, bandeiras, espadas e o canhão El Cristiano, isso é uma prática comum existente desde o início das guerras. No Paraguai também existem armas e o navio brasileiro Anhabahy, nos museus desta nação.

“Canhão El Cristiano – É nosso Troféu, é Patrimônio Histórico Brasileiro!”

No período da construção da hidrelétrica de Itaipu, muito desses materiais trazidos para o Brasil, foram devolvidos pelo governo brasileiro, como uma demonstração de boa vontade, além do perdão da dívida dos paraguaios com o País, porém o canhão El Cristiano, foi um das poucas heranças da guerra mantidas no Brasil, no Museu Histórico Nacional no Rio de Janeiro. Em 1998, todo o acervo do Museu foi tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), sendo declarados patrimônio nacional pelo decreto-lei nº25 de 30/11/1937.

Depois que o acervo é tombado, somente o Presidente da República tem autoridade para reverter o ato de tombamento, e nos últimos anos, é o que está sendo discutido, em 2010, o então Vice-Presidente do Paraguai, Federico Franco, exigiu que o canhão El Cristiano, fosse devolvido ao Paraguai, e três anos depois, enquanto Presidente voltou a falar sobre o assunto: “Não haverá paz, nem entre os soldados, nem entre a sociedade paraguaia, enquanto não for recuperado o canhão El Cristiano”.

O Presidente Lula em resposta a Franco em 2010, chegou a pedir ao Ministério da Cultura que providenciasse à volta do canhão ao Paraguai, o Ministério da Cultura, naquele ano “sugeriu que a devolução está sendo reconsiderada, para que o canhão faça parte de ações de cooperação de interesse para os dois países, como a criação de um museu”.

Com a revolta de historiadores e militares, que não aceitam a devolução de um patrimônio histórico nacional, o canhão não foi devolvido, no entanto, ainda hoje, o governo Paraguaio continua reivindicando a posse do canhão El Cristiano. Os questionamentos que ficam são; Será que outros países, que tem diversos espólios de guerra espalhados pelos seus museus, devolveriam esse material? Será que o Paraguai devolverá as armas e o navio Anhabahy? Será que a devolução do canhão provocará o fortalecimento nas relações entre Brasil e Paraguai?

 

Essas são as perguntas para aqueles que acreditam que a devolução de um patrimônio histórico nacional deve ser devolvido.

Prof. Pedro Drummond

Autor Prof. Pedro Drummond

Mais Posts de Prof. Pedro Drummond

Junte-se à discussão deixando seu comentário 4 Comentários

  • Antonio da Silva Ortega disse:

    NÃO A DEVOLUÇÃO do CANHÃO EL CRISTIANO. É NOSSO PATRIMÔNIO HISTÓRICO. Eu Digo Não a Esta Asquerosidade caso venha a ser realizada. Sou Professor de Geografia e História da Rede Pública Municipal de São Paulo. Juntos VENCEREMOS a Este ULTRAJE.

  • EldonHoava disse:

    O Brasil nao aceitava as pretensoes da Argentina sobre uma grande parte do Grande Chaco, regiao paraguaia rica em quebracho (produto usado na industrializacao do couro ). A questao de limites entre o Paraguai e a Argentina foi resolvida atraves de longa negociacao entre as partes. A unica regiao sobre a qual nao se atingiu um consenso — a area entre o rio Verde e o braco principal do rio Pilcomayo — foi arbitrada pelo presidente estado-unidense Rutherford Birchard Hayes que a declarou paraguaia. O Brasil assinou um tratado de paz em separado com o Paraguai, em 9 de janeiro de 1872, obtendo a liberdade de navegacao no rio Paraguai. Foram confirmadas as fronteiras reivindicadas pelo Brasil antes da guerra. Estipulou-se tambem uma divida de guerra que foi a primeira divida da historia paraguaia e foi intencionalmente subdimensionada por parte do governo imperial do Brasil mas que so foi efetivamente perdoada em 1943 por Getulio Vargas, em resposta a uma iniciativa identica da Argentina.

  • Paulo Roberto Martins disse:

    O canhão pertence ao Paraguai,foi construído pelos paraguaios com ferro dos sinos das igrejas paraguaias e portanto é uma usurpação comum a “valentões vencedores” ficar com espólio do inimigo como demonstração de seu poder.Chama-se em bom português de PILHAGEM ou SAQUE ou BUTIM.Portanto é triste ver professores dando mau exemplo e defendendo tal prova de incivilidade e arrogância.Será que não bastou havermos matado 80% da população daquele país,num extermínio sanguinário e proposital que incluiam crianças e velhos?

  • Francisco Valente disse:

    Parabéns pela página e pela matéria, é lógico que o canhão Cristiano não deve ser devolvido ao Paraguai, que absurdo!!! É um troféu de uma guerra que não foi provocado pelo Brasil, o agressor foi o Paraguai que independente de razões políticas e econômicas invadiu o nosso território, além disso os EUA, Inglaterra, França e Russia possuem em seus museus troféus conquistados nos campos de batalha durante a Segunda Guerra Mundial, isso sem contar com uma ocupação velada do país derrotado, ainda hoje só os EUA tem na Alemanha cerca de 45.000 militares em funções diversas.

Comentar

WC Captcha 36 + = 46