Tags Posts tagged with "Avião"

Avião

Em março de 1945, os artilheiros soviéticos que defendiam as cabeças-de-ponte no Rio Oder não acreditavam no que os seus olhos viam. Ao longe avistava-se um avião com uma estranha silhueta. O aparelho picou em grande velocidade e, depois, pareceu dividir-se em dois. A parte menor virou, afastando-se bruscamente, enquanto a maior continuava a aproximar-se. Os russos não sabiam, mas estavam sendo atacados pela maior bomba voadora com características muito particulares, como recorda um dos pilotos daquele tempo: “Mergulhamos num vertiginoso voo picado, para ganhar velocidade e atingir os 600 km/h. O Oberfeldwebel (primeiro-sargento) que comandava a formação, começou a sua aproximação final, apontando para as pontes do Sul. Pouco tempo depois, picou ainda mais, e eu o segui. Tive de fazer um esforço para manter o objetivo, uma ponte ferroviária em Steinau, no centro da minha mira”.

Voar com os nervos

“Esta era a fase mais importante da missão. Era preciso manter firmemente o avião no rumo para aproximação final. O menor desvio influenciaria os delicados giroscópios do piloto automático que controlava a enorme bomba voadora que estava debaixo do meu caça. Era uma experiência que chamamos “voar com os nervos”, especialmente quando se tratava de ataques sobre alvos bem defendidos. O ponto ideal para a largada era a cerca de mil metros do objetivo; a essa distância a bomba voadora dificilmente falharia o seu objetivo; mas a artilharia antiaérea inimiga também não falhava. O velocímetro indicava 650 km/h e o Mistel continuava o seu voo picado. O piloto automático estava funcionando perfeitamente e o conjunto avião-bomba voadora podia voar sem intervenção do piloto. Mas, onde estava a temida antiaérea inimiga?”

“Já podia distinguir claramente todos os pormenores da ponte: uma estrutura de vigas de ferro apoiada sobre sólidos pilares de alvenaria. Para ter certeza de que seria destruída, mesmo tendo uma ogiva de 3T, o Mistel devia acertar em cheio um dos pilares, o que requeria uma precisão milimétrica e uma boa dose de sorte.

“Podia ver uma seção de ponte centrada na minha mira. Uma pequena correção e o retângulo luminoso coincidia perfeitamente com um dos pilares da ponte. Vamos lá! Uma ligeira pressão sobre o botão de lançamento foi seguida pelo som abafado das cavilhas explosivas, e de repente meu BF109 estava livre. Uma brusca guinada para oeste e começo a retirada”.

Onde está a ponte?

“Um aluvião enorme foi cuspido para fora do céu. Devido à grande nuvem de fumaça que cobria a ponte, não consegui perceber se era água, lama, terra ou a sólida estrutura da pontem mas agora tinha outras coisas em que pensar. Passada a surpresa, os artilheiros soviéticos começaram a disparar a esmo. De repente, outro avião surge ao meu lado; após um instante de terror, reconheço o BF109 que estava sobre o Mistel que encabeçava o ataque, o medo deu lugar a um enorme alívio. Ambos levantamos os polegares em sinal de satisfação. Nenhum problema! Não sabíamos bem onde estávamos, mas não sendo “marinheiros de primeira viagem”, não seria um problema descobrir e reconhecer uma estrada de ferro, um povoado ou uma estrada para nos orientarmos em plena luz do dia. Além disso, tínhamos completado com sucesso a nossa primeira missão com o Mistel!”

Mistel 2

A ideia de um avião montado sobre o dorso de outro não era nova. Os ingleses haviam feito o mesmo com um hidroavião Short Mayo, originalmente projetado para o serviço postal transatlântico.

A aplicação da Luftwaffe era ligeiramente diferente. Durante grande parte da Segunda Guerra Mundial, a Alemanha não teve um bombardeiro pesado de longo alcance. No entanto, um dos objetivos que o Oberkommando der Wehrmacth (Comando Supremo Alemão) queria atingir, nas Ilhas Órcadas, ao norte da Escócia requeria uma enorme quantidade de bombas e de autonomia. O Mistel parecia a resposta adequada. A teoria era simples: um bombardeiro bimotor. não pilotado, seria repleto de explosivos e conduzido até o alvo por um avião menor, montado sobre o dorso. As primeiras experiências começaram em 1942.

A combinação definitiva

Em 1943 encontrou-se a combinação perfeita, associando-se o velho bombardeiro Junkers Ju 88 a um caça Fw 190 ou a um BF 109. O piloto do caça pilotava o conjunto utilizando os motores do bombardeiro até o momento da separação.

Assim, ambos os componentes aumentavam o seu raio de ação, o bombardeiro por que não tinha de voltar, o caça porque não gastava combustível na ida. Como bombas voadoras, os Ju 88 eram impressionantes: eram reconstruídos para transportar uma carga oca de 3,8T, com um detonador muito sofisticado. Durante os testes, a carga tinha perfurado, sem dificuldade, até 8m de aço e 20m de cimento armado reforçado.

Os primeiros Mistel entraram em serviço numa unidade especial da Luftwaffe, a KG 200, em maio de 1944. No entanto, o ataque a Scapa Flow teve que ser abandonado quando o desembarque na Normandia criou objetivos novos e mais urgentes. Foram realizadas algumas missões relativamente bem sucedidas contra os cais flutuantes dos portos aliados, ao longo das praias de desembarque.

Foram reunidos na Dinamarca quase 60 Mistel 1 operacionais, para atacarem a frota britânica em Scapa Flow. A operação foi várias vezes adiada devido às péssimas condições meteorológicas e, finalmente, cancelada.

Os Mistel só voltaram a ser utilizados em 1945, quando a situação da Alemanha ficou desesperadora. Foi então planejado um ataque estratégico contra usinas elétricas nos arredores de Moscou, que foi posteriormente abandonado, e os Mistel foram utilizados no vão esforço de bloquear o avanço do Exército Vermelho, destruindo pontes. Durante algumas semanas, pareceu que os Mistel estavam fazendo milagres, mas o sucesso era ilusório. O inimigo soviético era forte demais e os Mistel eram como gotas d’água num incêndio devastador.


Desenvolvimento do Mistel

Nos primeiros voos do mistel, em 1942, usou-se um avião ligeiro de ligação montado no dorso de um planador rebocado por um Ju 52 de transporte. Os testes levaram ao protótipo MIstel 1: uma combinação de caça e bombardeiro.

A combinação BF 109/Ju 88, foi a primeira a entrar em serviço. Pouco depois do desembarque na Normandia, em junho de 1944, os Mistel 1 baseados na Franla realizaram ataques contra a navegação aliada na Baia do Sena.

Mistel 1

Depois dos ataques sobre o Sena, 75 caças noturnos Ju 88G foram transformados em Mistel 2 com um caça Fw 190A-8 como avião de comando. A falta de Ju 88G-1 levou ao Mistel S.3A. A combinação Ju 88A-6/Fw 190 causou problemas, poisos aviões usavam combustíveis diferentes. Devido à sua baixa autonomia, esses aviões eram utilizados para treinamento.

Mistel 2

Os novos caças Ju 88 Zerstörer foram usados como componente inferior do Mistel. O modelo final foi o Fuehrugsmaschine, que acoplava um caça Fw 190A-8 a um Ju 88H-4. Esse binômio deveria ter funcionado como avião de guia e exploração de grande alcance.

Mistel S.3A, junção do Ju 88A-6 com um Fw 190 sobre o dorso

Destruidor de pontes

O Mistel 1 foi a principal combinação operacional e obteve o seu maior sucesso em março de 1945. Usado para bloquear o avanço soviético em zonas estrategicamente importantes como as pontes do Oder e do Neisse ( a menos de 80 km de Berlim) e a ponte ferroviária de Steinau, conseguiu deter os soviéticos durante dois dias.

[caption id="attachment_1864" align="aligncenter" width="1100"] Mistel 1[/caption]


Mistel 2 – Março de 1945

Conhecido como “Vater und Sohn” (pai e filho), por uns desenhos animados, populares na época, essa combinação foi utilizada pelo KG 200, a unicade especial da Luftwaffe para missões clandestinas.

Este Mistel 2, um dos aparelhos destinados à Operação Eisenhammer, foi capturado intacto pelo Exército dos Estados Unidos.
  • Ambos os aviões eram propulsados por motores radiais BMW 801 e usavam o mesmo combustível
BMW 801
  • O componente superior do Mistel 2 dispunha de uma segunda série de instrumentos e comandos para os motores do componente inferior. A ligação era feita através de simples cabos elétricos que passavam por dentro da estrutura de suporte.
  • Ao chegar perto do alvo, o piloto regulava o comando do componente inferior, para poder aproximar-ase em voo planado. O suporte posterior deformava-se de modo que o caça abaixava a cauda e elevava o nariz. A separação efetuava-se através de um sistema pirotécnico.

 

  • O cockpit original do Ju 88 foi substituído por uma ogiva de carga oca de 3,8T. O detonador de impacto fazia explodir a ogiva pouco antes que o bombardeiro se chocasse contra o alvo.


Caderno de Missões
  • 1943. São realizados com sucesso alguns testes de ataque contra o velho couraçado francês Ocean;
  • Junho 1944. Pouco depois do desembarque na Normandia, quatro Mistel atacam navios aliados na baía do Sena. São atingidos, mas não afundam;
  • Dezembro 1944. Um “golpe decisivo” contra a Home Fleet britânica, em Scapa Flow, é cancelado devido ao mau tempo;
  • Março de 1945. Outro “golpe falho”: a Operação Eisenhammer (martelo de ferro), contra a indústria soviética, é cancelada quando o Exército Vermelho conquista as bases do Mistel na Prússia Oriental;
  • Março 1945. Tem início os ataques contra as pontes de importância estratégica na vã tentativa de brecar o Exército Vermelho;
  • Foram fabricados pelo menos 250 Mistel. Muitos foram capturados intactos após a capitulação da Alemanha.

Fonte: Asas de Guerra

 

0 4612
Os FW-190A3

Cinquenta dos 72 aviões de guerra desaparecidos há 70 anos atrás foram encontrados enterrados em um antigo aeroporto na cidade de Kayseri, Provícia de Anatólia na Turquia. Os FW-190A3 foram enterrados a mando dos Estados Unidos. Eles desapareceram em 1947 quando os americanos decidiram enviar ajuda militar à Turquia e foram “deletados” do inventário do plano de auxílio.

0a34186c000005dc-3839195-image-a-2_1476489689898

Com a chegada da era dos aviões à jato, estes exemplares movidos à turboélice foram esquecidos. Esforços para encontrar os 72 aviões começaram em 2015 e testes com detectores foram conduzidos. As máquinas foram capazes de determinar a localização dos aviões, mas a grande burocracia envolvida impediu que fossem desenterrados imediatamente.

Estes aviões possuíam extrema significância em termos de produção. A cooperação entre Alemanha e Turquia continuou após a Primeira Guerra Mundial e pavimento o caminho para a produção cooperativa conduzida pela empresa Alemã, Junkers. Mais tarde, a primeira fábrica de aeronaves turca foi fundada, produzindo modelos A-20.

Este pacto foi mantido mediante um acordo comercial entre a Alemanha de Hitler e a Turquia em 1941 devido aos esforços do chanceler alemão Franz von Papen. A Turquia vendeu minério bruto (Ferro e Cromo) para a Alemanha, e em troca, adquiriu 72 caças modelo FW-190A3.

Estes aviões, cujas peças foram produzidas na região da Anatolia, foram trazidos em 1943. Fizeram seu primeiro vôo em 10 de julho de 1943, e foram distribuídos à 5 províncias turcas. Um total de 50 aviões foram enviados a Kayseri antes de desaparecerem em 1947.

3965218400000578-3839195-image-a-13_1476490317691

De acordo com os novos documentos encontrados, os EUA solicitaram que a Turquia destruísse todos os FW-190A3 para que pudessem os vender seus aviões utilizados durante a Segunda Guerra Mundial. Como resultado de uma longa conversa em Ancara, estes aviões nunca mais foram vistos.

Aeroporto de Kayseri
Aeroporto de Kayseri

Uluhan Hasdal, autoridade que investigava o paradeiro dos aviões por 25 anos, alegou que os EUA ofereceram seus aviões à Turquia sem cobrança na condição de que os caças alemães fossem destruídos.

“Os EUA queriam nos enviar os aviões sem custo. No entanto, havia apenas uma condição; a destruição completa da tecnologia alemã. Aproximadamente 50 aviões foram trazidos ao Aeroporto de Kayseri e deixados de fora do inventário. De acordo com documentos, os aviões foram enterrados em invólucros de tecido cobertos com óleo,” disse Hasdal.

“As autoridades alemãs me disseram que os aviões eram resistentes a corrosão e poderiam voar logo após serem desenterrados.” disse ele.

Fonte: Daily Mail

0 482

Nada melhor que ver um sonho de criança se tornar realidade. E quantos de nós aqui desde criança sonhamos em voar num Spitfire?

O baixista da banda Blur, Alex James, teve a chance de realizar este sonho. Após um curso na Boultbee Flight Academy – que oferece cursos de vôo em diversas aeronaves clássicas, e recentemente incluiu um Spitfire biposto em sua coleção – Alex entrou na cabine do histórico caça.

Visivelmente emocionado, Alex derrama lágrimas em diversos momentos ao viver seu sonho de infância.

Provavelmente todo homem já sonhou em ser piloto em algum momento, e todos os pilotos querem voar um Spitfire”, disse ele. “E esta é uma daquelas raras coisas que são ainda melhores na realidade do que quando imaginadas na cabeça”.

Fonte: The Telegraph

RANDOM POSTS

0 236
  Passados 3 meses desde o lançamento do filme (12 de Julho de 2017), creio que todos os nossos leitores provavelmente já assistiram este nostálgico...