Authors Posts by Kobas

Kobas

84 POSTS 0 COMMENTS
Fundador e idealizador da H.M.O

0 236

 

Passados 3 meses desde o lançamento do filme (12 de Julho de 2017), creio que todos os nossos leitores provavelmente já assistiram este nostálgico filme de guerra.

O filme possui 3 roteiros separados ocorrendo ao mesmo tempo, são eles:

  1. Os pilotos
  2. Os soldados no píer/praia
  3. Os marinheiros

As 3 extremamente confusas de se seguir. Isto provavelmente deu-se devido a nenhuma delas compartilharem a mesma linha do tempo. O roteiro dos pilotos se passa em torno de uma hora, no mar, um dia, e a evacuação dos soldados leva uma semana, e mesmo assim o filme vai e volta entre as 3 linhas históricas. No geral, o filme acontece num ritmo bem lento comparado aos filmes de guerra lançados ultimamente. Por exemplo, o filme Até o Último Homem (Hacksaw Ridge), a ação acontece a todo o tempo, são batalhas e batalhas o tempo todo. Dunkirk comparativamente, possui poucas cenas de alta ação. O filme possui apenas 1:47 minutos de duração, mas cria a falsa sensação de ter 3 horas. Uma das melhores partes do filme sem dúvida é a trilha sonora, é realmente incrível e consegue capturar o universo deste ambiente nostálgico durante a evacuação em Dunkirk, em 1940.

Já no contexto histórico…

Contexto histórico fidedigno

1: Os britânicos e os franceses e suas pequenas rusgas durante o filme: Existe uma cena no filme que mostra os soldados britânicos empurrando os soldados franceses para fora do píer dizendo “Apenas ingleses!” somando-se isso a uma boa quantidade de palavrões.  Acredite ou não, esta parte é historicamente bem precisa. Todos creem que os franceses e ingleses, por serem aliados, “gostavam” uns dos outros. Na verdade não. Eles realmente não davam a mínima uns para os outros na Primeira Guerra Mundial, e muito menos na Segunda Guerra Mundial. Foram aliados apenas por necessidade, e ainda assim existiam pequenas rixas por parte da população francesa no intuito de declarar guerra aos ingleses, especialmente depois da Batalha de Mers El Kebir (1940). As rusgas entre ingleses e franceses (e belgas) remontam desde muito tempo quando ainda faziam parte dos domínios da Roma Antiga.

2: As embarcações civis: Dunkirk é frequentemente romantizada com a presença de ingleses e seus pequenos barcos arriscando suas vidas parar ir até Dunkirk. Na realidade, os militares confiscaram os pequenos barcos e barcaças, quase sempre contra a vontade de seus donos, e os utilizaram para a evacuação. Provavelmente existiram barcos civis rumo à Dunkirk, porém, principalmente guiados por militares. O filme, relativamente, fez um bom trabalho colocando este detalhe no roteiro.  No início do filme é possível notar a presença de militares descendo escadarias das docas e confiscando barcos, os personagens principais do roteiro dos marinheiros são civis que encontram uma maneira de partir antes de que os militares os alcancem. No entanto, quando estes pequenos barcos são mostrados novamente no final do filme, a grande maioria deles está sendo guiada por civis, então, creio que o próprio roteiro se desconstrói no final.

Heinkel 111 espanhol utilizado nas filmagens

3: Os junkers e os Heinkels: Os produtores realmente usaram aviões reais onde conseguiram,  mas em alguns casos tiveram de usar CGI de qualquer maneira. Como descobrimos? Existe apenas um Heinkel 111 com capacidade de levantar voo no mundo, e foi construído por uma empresa espanhola após o término da guerra e carregava motores ingleses. Todos os modelos Heinkel usados no filme tinham os motores alemães originais, sendo assim, era fácil descobrir pelo fato que não há aeronaves como esta utilizando motores alemães com capacidade de voar atualmente. O mesmo vale para os bombardeiros de mergulho modelo Junker 87, também criados por CGI. De qualquer maneira, eles pareciam altamente realistas e a única maneira de constatar que eram realmente computação gráfica é o fato de que atualmente também não existem exemplares ou réplicas destes aviões em condições de voo atualmente. É importante citar que a sirene reproduzida no filme realmente é bem fiel ao contexto histórico.

4: As batalhas aéreas: Se compararmos o filme Pearl Harbor e Red Tails, as cenas de batalha aérea ocorriam em alta velocidade e muitos aviões eram abatidos, e por outro lado, a grande maioria dos takes no cockpit e acompanhados mostravam cenas de alta velocidade com muitas curvas e manobras fechadas. Dunkirk definitivamente não tem estas características. Historicamente, batalhas aéreas foram muito lentas e tediosas, pois os pilotos tinham que alinhar o seus disparos apenas à direita, conservar munições, ter total destreza para permanecer com afinco na cauda do inimigo, etc… Os roteiristas de Dunkirk fizeram um ótimo trabalho mostrando a verdadeira face do combate aéreo ao imprimir o quão tediosas elas eram durante a Segunda Guerra Mundial. Sem dúvida, Dunkirk recriou as batalhas aéreas com muita precisão histórica, talvez mais do que qualquer filme de guerra jamais fez. Não ficaram como estes blockbusters cheios de nuvens de aeronaves se explodindo e milhares de pedaços à todo instante.

Contexto histórico impreciso

1: Messerschmitt ME-109: Os ME-109 mostrados no filme estavam hilariamente  fora de qualquer proximidade dos verdadeiros aviões alemães. Primeiramente, aviões completamente mal reproduzidos para o filme ao invés de recriar um CGI mais fidedigno historicamente (pelo menos para takes de close-up, mais próximos). Eu comparo estes aviões com os Panzerkampfwagen VI Tiger (Tiger I) usados em filmes, onde normalmente todos eles são chassis de outros blindados com um “disfarce” de Tiger I jogado em cima da carcaça, como na torre e etc… Foi isto que vimos nos ME-109 usados neste filme. Eles estavam ok se considerarmos a vista do cockpit para trás, mas ao notar a área do motor era fácil de constatar que na verdade eram Hispano Buchons “fantasiados” de ME-109. Além disso, todo 109 mostrado no filme tinha a ponta do nariz pintado de amarelo. Na realidade, os alemães começaram a usar estar pintura aproximadamente a apenas um mês depois da evacuação de Dunkirk.  No entanto, Nolan, ao menos admitiu sua falha ao dizer que preferia a pintura amarela pelo fato de que a audiência que não era tão informada sobre estes fatores técnicos poderiam distinguir melhor os aviões alemães dos aviões ingleses.

2:  Os Spitfires: É claro que as estrelas do filme eram os Spitfire, de fato, além de uma cena passageira onde pode-se ver um Bristol Blenheim, o Spitfire é o único avião inglês mostrado no filme. Haviam Spitfires durante a Batalha de Dunkirk, mas muito poucos. O Hurricane era o caça principal usado pelos ingleses durante a batalha, e simplesmente não havia nenhum deles no filme. Os ingleses sofreram perdas significantes durante Dunkirk e, eles mantiveram seus seus melhores navios e aviões em solo inglês em caso de uma invasão alemã. De qualquer maneira, ninguém quer ver Hurricanes no cinema, queremos mesmo são os Spitfires.

3: A Royal Navy: Dunkirk retratou bem o esforço da Força Aérea Real e a bravura dos soldados ingleses, mas deixou muito a desejar com a Marinha Real. Quase todo navio de guerra no filme foi afundado. Para completar, nenhum dos navios chega a abrir fogo para defenderem a si mesmos, os aviões aliados, ou os homens na praia. Eles apenas ficaram ali esperando para serem afundados. Novamente, o filme faz parecer que os pequenos barcos são os verdadeiros heróis, onde na realidade, estas pequenas barcaças foram responsáveis por apenas 3% do total de evacuados.

4: As metralhadoras do Heinkel 111: Houveram várias cenas no filme onde Spitfires atacam Heinkel 111 e claro, os artilheiros do avião alemão dispararam em sua defesa. Mas o grande erro foram os efeitos sonoros, as metralhadoras de 7.92mm tinham som de canhões de 30mm. Os Spitfires, no entanto, vieram com um trabalho de áudio mais que perfeito em seus motores e armas. Talvez Nolan tenha tido intuito de criar um efeito mais amedrontador com as armas do Heinkel soando mais alto e mais mortais.

 

Curiosidades:

1: As embarcações civis: Um grande número dos barcos sobreviventes à evacuação de Dunkirk em 1940 foram usados no filme. Barcos que realmente estiveram lá. Eles são mantidos e reformados por uma associação de donos de barcos utilizados na evacuação.

 

Em março de 1945, os artilheiros soviéticos que defendiam as cabeças-de-ponte no Rio Oder não acreditavam no que os seus olhos viam. Ao longe avistava-se um avião com uma estranha silhueta. O aparelho picou em grande velocidade e, depois, pareceu dividir-se em dois. A parte menor virou, afastando-se bruscamente, enquanto a maior continuava a aproximar-se. Os russos não sabiam, mas estavam sendo atacados pela maior bomba voadora com características muito particulares, como recorda um dos pilotos daquele tempo: “Mergulhamos num vertiginoso voo picado, para ganhar velocidade e atingir os 600 km/h. O Oberfeldwebel (primeiro-sargento) que comandava a formação, começou a sua aproximação final, apontando para as pontes do Sul. Pouco tempo depois, picou ainda mais, e eu o segui. Tive de fazer um esforço para manter o objetivo, uma ponte ferroviária em Steinau, no centro da minha mira”.

Voar com os nervos

“Esta era a fase mais importante da missão. Era preciso manter firmemente o avião no rumo para aproximação final. O menor desvio influenciaria os delicados giroscópios do piloto automático que controlava a enorme bomba voadora que estava debaixo do meu caça. Era uma experiência que chamamos “voar com os nervos”, especialmente quando se tratava de ataques sobre alvos bem defendidos. O ponto ideal para a largada era a cerca de mil metros do objetivo; a essa distância a bomba voadora dificilmente falharia o seu objetivo; mas a artilharia antiaérea inimiga também não falhava. O velocímetro indicava 650 km/h e o Mistel continuava o seu voo picado. O piloto automático estava funcionando perfeitamente e o conjunto avião-bomba voadora podia voar sem intervenção do piloto. Mas, onde estava a temida antiaérea inimiga?”

“Já podia distinguir claramente todos os pormenores da ponte: uma estrutura de vigas de ferro apoiada sobre sólidos pilares de alvenaria. Para ter certeza de que seria destruída, mesmo tendo uma ogiva de 3T, o Mistel devia acertar em cheio um dos pilares, o que requeria uma precisão milimétrica e uma boa dose de sorte.

“Podia ver uma seção de ponte centrada na minha mira. Uma pequena correção e o retângulo luminoso coincidia perfeitamente com um dos pilares da ponte. Vamos lá! Uma ligeira pressão sobre o botão de lançamento foi seguida pelo som abafado das cavilhas explosivas, e de repente meu BF109 estava livre. Uma brusca guinada para oeste e começo a retirada”.

Onde está a ponte?

“Um aluvião enorme foi cuspido para fora do céu. Devido à grande nuvem de fumaça que cobria a ponte, não consegui perceber se era água, lama, terra ou a sólida estrutura da pontem mas agora tinha outras coisas em que pensar. Passada a surpresa, os artilheiros soviéticos começaram a disparar a esmo. De repente, outro avião surge ao meu lado; após um instante de terror, reconheço o BF109 que estava sobre o Mistel que encabeçava o ataque, o medo deu lugar a um enorme alívio. Ambos levantamos os polegares em sinal de satisfação. Nenhum problema! Não sabíamos bem onde estávamos, mas não sendo “marinheiros de primeira viagem”, não seria um problema descobrir e reconhecer uma estrada de ferro, um povoado ou uma estrada para nos orientarmos em plena luz do dia. Além disso, tínhamos completado com sucesso a nossa primeira missão com o Mistel!”

Mistel 2

A ideia de um avião montado sobre o dorso de outro não era nova. Os ingleses haviam feito o mesmo com um hidroavião Short Mayo, originalmente projetado para o serviço postal transatlântico.

A aplicação da Luftwaffe era ligeiramente diferente. Durante grande parte da Segunda Guerra Mundial, a Alemanha não teve um bombardeiro pesado de longo alcance. No entanto, um dos objetivos que o Oberkommando der Wehrmacth (Comando Supremo Alemão) queria atingir, nas Ilhas Órcadas, ao norte da Escócia requeria uma enorme quantidade de bombas e de autonomia. O Mistel parecia a resposta adequada. A teoria era simples: um bombardeiro bimotor. não pilotado, seria repleto de explosivos e conduzido até o alvo por um avião menor, montado sobre o dorso. As primeiras experiências começaram em 1942.

A combinação definitiva

Em 1943 encontrou-se a combinação perfeita, associando-se o velho bombardeiro Junkers Ju 88 a um caça Fw 190 ou a um BF 109. O piloto do caça pilotava o conjunto utilizando os motores do bombardeiro até o momento da separação.

Assim, ambos os componentes aumentavam o seu raio de ação, o bombardeiro por que não tinha de voltar, o caça porque não gastava combustível na ida. Como bombas voadoras, os Ju 88 eram impressionantes: eram reconstruídos para transportar uma carga oca de 3,8T, com um detonador muito sofisticado. Durante os testes, a carga tinha perfurado, sem dificuldade, até 8m de aço e 20m de cimento armado reforçado.

Os primeiros Mistel entraram em serviço numa unidade especial da Luftwaffe, a KG 200, em maio de 1944. No entanto, o ataque a Scapa Flow teve que ser abandonado quando o desembarque na Normandia criou objetivos novos e mais urgentes. Foram realizadas algumas missões relativamente bem sucedidas contra os cais flutuantes dos portos aliados, ao longo das praias de desembarque.

Foram reunidos na Dinamarca quase 60 Mistel 1 operacionais, para atacarem a frota britânica em Scapa Flow. A operação foi várias vezes adiada devido às péssimas condições meteorológicas e, finalmente, cancelada.

Os Mistel só voltaram a ser utilizados em 1945, quando a situação da Alemanha ficou desesperadora. Foi então planejado um ataque estratégico contra usinas elétricas nos arredores de Moscou, que foi posteriormente abandonado, e os Mistel foram utilizados no vão esforço de bloquear o avanço do Exército Vermelho, destruindo pontes. Durante algumas semanas, pareceu que os Mistel estavam fazendo milagres, mas o sucesso era ilusório. O inimigo soviético era forte demais e os Mistel eram como gotas d’água num incêndio devastador.


Desenvolvimento do Mistel

Nos primeiros voos do mistel, em 1942, usou-se um avião ligeiro de ligação montado no dorso de um planador rebocado por um Ju 52 de transporte. Os testes levaram ao protótipo MIstel 1: uma combinação de caça e bombardeiro.

A combinação BF 109/Ju 88, foi a primeira a entrar em serviço. Pouco depois do desembarque na Normandia, em junho de 1944, os Mistel 1 baseados na Franla realizaram ataques contra a navegação aliada na Baia do Sena.

Mistel 1

Depois dos ataques sobre o Sena, 75 caças noturnos Ju 88G foram transformados em Mistel 2 com um caça Fw 190A-8 como avião de comando. A falta de Ju 88G-1 levou ao Mistel S.3A. A combinação Ju 88A-6/Fw 190 causou problemas, poisos aviões usavam combustíveis diferentes. Devido à sua baixa autonomia, esses aviões eram utilizados para treinamento.

Mistel 2

Os novos caças Ju 88 Zerstörer foram usados como componente inferior do Mistel. O modelo final foi o Fuehrugsmaschine, que acoplava um caça Fw 190A-8 a um Ju 88H-4. Esse binômio deveria ter funcionado como avião de guia e exploração de grande alcance.

Mistel S.3A, junção do Ju 88A-6 com um Fw 190 sobre o dorso

Destruidor de pontes

O Mistel 1 foi a principal combinação operacional e obteve o seu maior sucesso em março de 1945. Usado para bloquear o avanço soviético em zonas estrategicamente importantes como as pontes do Oder e do Neisse ( a menos de 80 km de Berlim) e a ponte ferroviária de Steinau, conseguiu deter os soviéticos durante dois dias.

[caption id="attachment_1864" align="aligncenter" width="1100"] Mistel 1[/caption]


Mistel 2 – Março de 1945

Conhecido como “Vater und Sohn” (pai e filho), por uns desenhos animados, populares na época, essa combinação foi utilizada pelo KG 200, a unicade especial da Luftwaffe para missões clandestinas.

Este Mistel 2, um dos aparelhos destinados à Operação Eisenhammer, foi capturado intacto pelo Exército dos Estados Unidos.
  • Ambos os aviões eram propulsados por motores radiais BMW 801 e usavam o mesmo combustível
BMW 801
  • O componente superior do Mistel 2 dispunha de uma segunda série de instrumentos e comandos para os motores do componente inferior. A ligação era feita através de simples cabos elétricos que passavam por dentro da estrutura de suporte.
  • Ao chegar perto do alvo, o piloto regulava o comando do componente inferior, para poder aproximar-ase em voo planado. O suporte posterior deformava-se de modo que o caça abaixava a cauda e elevava o nariz. A separação efetuava-se através de um sistema pirotécnico.

 

  • O cockpit original do Ju 88 foi substituído por uma ogiva de carga oca de 3,8T. O detonador de impacto fazia explodir a ogiva pouco antes que o bombardeiro se chocasse contra o alvo.


Caderno de Missões
  • 1943. São realizados com sucesso alguns testes de ataque contra o velho couraçado francês Ocean;
  • Junho 1944. Pouco depois do desembarque na Normandia, quatro Mistel atacam navios aliados na baía do Sena. São atingidos, mas não afundam;
  • Dezembro 1944. Um “golpe decisivo” contra a Home Fleet britânica, em Scapa Flow, é cancelado devido ao mau tempo;
  • Março de 1945. Outro “golpe falho”: a Operação Eisenhammer (martelo de ferro), contra a indústria soviética, é cancelada quando o Exército Vermelho conquista as bases do Mistel na Prússia Oriental;
  • Março 1945. Tem início os ataques contra as pontes de importância estratégica na vã tentativa de brecar o Exército Vermelho;
  • Foram fabricados pelo menos 250 Mistel. Muitos foram capturados intactos após a capitulação da Alemanha.

Fonte: Asas de Guerra

 

1

Matt Damon foi o único ator que não precisou passar pelo árduo treinamento militar antes das filmagens. Damon foi poupado para que os outros atores sentissem uma certa inveja ou ressentimento e que isso ficasse nítido durante as gravações

2

Aproximadamente 40 barris de sangue falso foram usados para recriar a sangrenta invasão na praia Omaha para a abertura do filme.

3

Um dos atores na versão do filme dublada em alemão, era na verdade um veterano alemão que combateu na Normandia no fatídico 6 de junho de 1944. Ele teve de ser dispensado das dublagens devido ao realismo do filme.

4

Neil Patrick Harris chegou a ser cogitado para o papel de Ryan.

5

Antes de Tom Hanks ser escolhido para o papel de Capitão John Miller, Spielberg considerou Mel Gibson e Harrison Ford para o papel principal.

6

Tom Sizemore travava uma batalha contra o vício em drogas durante o período das filmagens. Spielberg deu a ele um ultimato onde ele deveria fazer exames de sangue todos os dias, e se falhasse em um deles, ele seria substituído e suas cenas refilmadas, mesmo que o filme já tivesse em suas últimas etapas de gravação.

7

Quando Matt Damon foi escolhido para o papel de Ryan, Spielberg buscava na época um ator relativamente desconhecido. Não deu muito certo quando o filme Gênio Indomável foi lançado e fez de Damon um astro da noite para o dia pouco antes do filme de Spielberg ser lançado mundialmente.

8

As salas de cinema do mundo todo foram orientadas as aumentar o volume durante a projeção do filme, isto devia-se ao aspecto crucial de recriar o ambiente de guerra enquanto o filme era assistido.

9

Os sons de disparos das armas usadas no filme foram gravadas utilizando armas originais de época com munição real.

10

Em antecipação a todos os veteranos que por ventura traumatizariam-se ao assistir o filme, o Departamento de Assuntos Militars aos Veteranos disponibilizaram uma espécie de 0800 para dar suporte a casos críticos ocasionados pelo filme.

11

Em meio aos exercícios incrivelmente difíceis durante o treinamento militar, os atores tiveram de passar por testes em situações onde a chuva era intensa permanecendo totalmente encharcados, e tendo de chamarem entre si apenas pelos nomes de seus personagens, ainda tendo que aturar o instrutor os chamando de “cocôs” o tempo todo.

12

A Batalha de Omaha Beach foi filmada em sequência durante um período de quatro semanas, levando a ação da praia até o alto da orla sendo filmada dia após dia. Steven Spielberg alega que nada do planejamento foi colocado no storyboard em antecipação. Tudo “na raça”.

13

A cena de Omaha Beach custou 11 milhões e envolveu até 1000 figurantes, alguns deles eram membros da Reserva do Exército Irlandês. Destes figurantes, 20-30 deles eram amputados empregados usando próteses para simular seus membros sendo arrancados e explodidos nas cenas.

14

As tremulações de câmera nas explosões aconteciam pelo fato de que Steve Spielberg usou uma espécie de dispositivo que vibrava a câmera, que eram ligados quando necessário. Durante as gravações usando este efeito, o diretor de fotografia avisou Spielberg que um “tremedor” de lentes já existia. Spielberg disse numa entrevista que achava que ele havia inventado esta nova ferramenta para o filme.

15

Dois dos LCV usados para desembarcar os soldados nas cenas da praia foram usados durante a Segunda Guerra Mundial.

16

Durante cena inicial no mar, as munições usadas pelos atores eram cenográficas e feitas de madeira, já que as réplicas de metal eram muito pesadas.

17

Interessantemente, durante a marca de 45 minutos do filme, Paul Giamatti diz “As estradas estão calmas há 45 minutos”.

18

Algumas pessoas reclamaram que a cena em que os Rangers estão disparando morteiros manualmente sobre os soldados alemães não tinha precisão histórica. Na verdade, Charles Kelly, que recebeu a Medalha de Honra, fez exatamente o mesmo processo de disparo durante uma batalha na Itália em 1943.

19

Spielberg foi parabenizado pela autenticidade do filme. O ator James Doohan, que atuou em Star Trek, foi especialmente gentil. Doohan perdeu o dedo do meio de sua mão direita e foi ferido durante a guerra. Não obstante, ele participou da Invasão da Normandia em 6 de junho de 1944, na Praia Juno, onde a 3ª Divisão de Infantaria Canadense liderou o ataque. Ele apoiou e parabenizou Spielberg por seu filme ao não poupar esforços para recriar os detalhes mais grotescos.

20

Na Índia, o filme foi censurado por conter muita violência. O país solicitou cortes, recusados por Spielberg e ao invés disso, ele decidiu não lançar o filme na Índia. Então, um dos ministros do governo indiano assistiu o filme, e impressionado, soltou uma nota para que o liberassem sem cortes.

21

Os dois soldados “alemães” que foram fuzilados tentando renderem-se, na verdade eram Tchecos. Eles diziam, “Por favor não atire em mim, eu não sou alemão, eu sou tcheco, eu não matei ninguém, eu sou tcheco!”. Muitos cidadãos tchecos e poloneses foram forçados a combaterem do lado alemão durante guerra pelo fato de que seus países haviam sido ocupados pela Alemanha durante as fases iniciais da guerra.

22

Ao usar o rádio na cena da praia, Capt. Miller dizia ‘CATF’, o que significa que estava falando com o comandante e solicitando: “Força Tarefa Anfíbia” (Amphibious Task Force).

23

Matt Damon improvisou a estória que ele conta, ao final do filme, sobre espionar seu irmão no celeiro com a garota feia. O discurso foi chocante e particularmente não foi engraçado ou interessante, mas a direção decidiu que por este fato funcionou; era uma verdade contada por um jovem imaturo como Ryan, fadado ao ser o ponto central de uma operação militar. Steven Spielberg gostou tanto que decidiu deixá-la no filme.

Ivan Kozhedub

Família, infância e adolescência

O mais bem sucedido piloto da União Soviética nasceu de uma família pobre em 8 de junho do atribulado ano de 1920 no vilarejo rural de Obrazhiyevka (hoje parte do território ucraniano) próximo à cidade de Shostka na zona oeste da então República Socialista Federativa Soviética Russa (1917-1922), que naquela época, encontrava-se em uma sangrenta guerra civil (Guerra Civil Russa, 1918-1922).

Seu pai foi uma pessoa incomum para seu status social na época, trabalhando em uma fábrica e arando a terra nas horas vagas, mesmo assim ainda encontrava tempo para ler livros e até mesmo compor versos. Ele era religioso, rigoroso e um perseverante tutor.

Certa vez o pai de Ivan, apesar dos protestos de sua esposa, enviou seu filho de cinco anos para guardar sua horta à noite. Mais tarde Ivan perguntara a seu pai o que faria ali, já que ladrões eram raros naquela área e um vigia seria inútil dado o fato da monotonia em suas noites de guarda. Seu pai respondeu – “Estou te acostumando frente às dificuldades“.

Aos seis anos Ivan aprendeu a ler e escrever e logo seguiu seu caminho para a escola.

Nos anos 30, o Komsomol (Liga dos Jovens Comunistas) incentivava a aviação, e naturalmente os jovens tinham muito entusiasmo por ela.

Cartaz de propaganda da "Escolinha do Komsomol"
Cartaz de propaganda da “Escolinha do Komsomol”

Para Ivan, então um jovem de 16 anos o grande ídolo chamava-se Valery Chkalov, um piloto, que havia realizado algumas proezas como por exemplo, voar de Moscou a Udd Island em Kamchatka, numa distância de 9.374 km em 56 horas e 20 minutos num Tupolev ANT-25 em 1936 ou de Moscou a Vancouver no Canadá via Pólo Norte, numa distância de 8.504 km em 63 horas e 16 minutos em 1937.

Valery Chkalov
Valery Chkalov

tupolev-ant-25-flight-path

jornada-de-chkalov

Rua batizada em seu nome, Vancouver, Canadá
Rua batizada em seu nome, Vancouver, Canadá

Valery era também piloto de testes, tendo perdido sua vida num desses vôos no dia 15 de dezembro de 1938. Vendo que seria impossível estudar numa escola técnica ao mesmo tempo em que aprendia a voar, preferiu entrar para o aeroclube local. O ano era 1938, e os japoneses haviam violado a fronteira soviética próximo ao Lago Khasan, e esse fato aguçou ainda mais a vontade de Ivan de tornar-se um piloto e ir defender sua pátria. No ano de 1940 graduou-se no Colégio Técnico de Química de Shostka. Agora seu caminho estava livre.

Segunda Guerra Mundial

kozhedub-perfilKozhedub aprendeu a voar no Aeroclube Shostka e alistou-se à Força Aérea Soviética (VVS-RKKA). A escola de aviação mudaria sua vida para sempre. Embora já soubesse o ABC da pilotagem, em Chuguev recebeu as verdadeiras lições de voo bem como sofreu com a disciplina militar. Nesta escola, para se tornar piloto era necessário praticar por 100 horas. Mais tarde, em 1941, graduou-se com altas notas na Escola de Aviação Militar de Chuguev, durante o início da Invasão da União Soviética, mas para sua infelicidade foi retido como instrutor por mais dois anos devido a seu excelente desempenho. Neste período foi responsável pelo treinamento de inúmeros pilotos soviéticos que eram enviados ao front enquanto o jovem Ivan continuava a insistir em sua transferência para a frente de batalha. Neste mesmo ano a escola de aviação foi realocada para o setor asiático do país devido ao início da guerra.

22 de junho de 1941 - o dia em que Hitler e Stalin deixaram de ser aliados - dando início então a Invasão da União Soviética
22 de junho de 1941 – o dia em que Hitler e Stalin deixaram de ser aliados dando início a Invasão da União Soviética

A experiência recebida pela Força Aérea Soviética nos primeiros meses de guerra, fizeram com que fosse necessário algumas mudanças nas táticas e na estrutura organizacional da força. A fórmula adotada passou a ser baseada em quatro fatores: Altitude-Velocidade-Manobrabilidade-Poder de Fogo.  O elemento de duas aeronaves passou a ser a unidade tática básica, abandonando-se a esquadrilha de três aeronaves, utilizando-se então apenas a de quatro aviões. Os esquadrões passaram a formar grupos, cada um com sua missão bem definida (assalto, escolta, interdição, defesa aérea, etc…) O maciço uso da aviação, e sua crescente influência sobre o resultado dos combates e operações, requeria um esforço concentrado nessas principais especialidades.

Unidades aéreas, especialmente dedicadas a esses propósitos, passaram a fazer parte integrada dos exércitos. Centenas de aeronaves participavam das cruciais operações táticas e estratégicas. O arsenal de métodos de combate utilizado pelos ases soviéticos incluía manobras verticais, formações em multi-camadas e outras técnicas. Das 44 mil aeronaves alemãs perdidas no front soviético, 90% foram devidas aos caças.

Ilyushin Il-2, a aeronave soviética mais produzida durante a guerra
Ilyushin Il-2, a aeronave soviética mais produzida durante a guerra

Ao mesmo tempo em que treinava pilotos ele treinava a si mesmo. Ficava orgulhoso quando recebia notícias de seus ex-pupilos sendo bem sucedidos em combate. No final de 1942, foi enviado a treinar uma nova aeronave, o Lavochkin LaG-5. Finalmente em 26 março de 1943, foi enviado ao front recebendo seu La-5 de número 75. Batizado com o nome do herói da União Soviética, Valery Chkalov. Estas aeronaves foram construídas com fundos doados pelo povo soviético.

lag-5-ivan-kozhedub

Seu avião era um pouco diferente dos demais, com cinco tanques de combustível, em vez de três, fazendo com que ele fosse inicialmente um pouco mais pesado e menos manobrável. O LaG-5 era uma aeronave forte, com bastante potência de motor e dotado de um excelente conjunto de armamento.

Em uma entrevista exclusiva para o jornal "Estrela Real", Kozhedub (à esquerda) encontra seus camaradas para ser parabenizado por seu título de Herói da União Soviética por três vezes, 1945.
Em uma entrevista exclusiva para o jornal “Estrela Real”, Kozhedub (à esquerda) encontra seus camaradas para ser parabenizado por seu título de Herói da União Soviética por três vezes, 1945.

Seu batismo de fogo em Kharkov foi uma experiência emblemática pelo fato de que sua aeronave foi altamente danificada pelos caças alemães e Ivan não conseguiu atingir nenhum inimigo. Uma vivência amarga, mas uma bela lição. Apesar de não alcançarem bons resultados, a moral dos pilotos era elevada. Muitos deles tinham famílias em território ocupado pelos nazistas, como Ivan, o que os fazia sedentos por vingança.

Após agosto de 1943, entretanto, a supremacia aérea finalmente pendeu para o lado soviético, e com a aproximação do final da guerra, cada vez mais, os pilotos alemães iam se tornando jovens e pouco treinados. A celebrada invencibilidade da Luftwaffe de Göring havia se transformado em fumaça.

O potencial de combate dos caças Yak-3, do La-7 e La-9 era indiscutivelmente superior ao dos caças alemães Me-109 e Fw-190, mas a qualidade dos pilotos fazia a diferença.

Os pilotos soviéticos voavam e pilotavam todos os dias, o dia todo, sendo muito comum realizarem três ou quatro missões por dia.

6170tajnyi-vekadve-vojnyi-ivana-ko

Combates aéreos e seus primeiros resultados

Durante a Batalha de Kursk, Ivan Kozhedub, então com 23 anos de idade, abria sua contagem de vitórias. No dia 6 de julho de 1943, entrou em combate contra um esquadrão inimigo composto por 12 aeronaves, o jovem piloto fez sua primeira vitória ao derrubar um bombardeiro de mergulho Junkers Ju-87. No dia seguinte ganharia notoriedade ao derrubar mais um Ju-87. Em 9 de julho Ivan derrubou simultaneamente dois caças Messerschmitt Bf-109. tornando-se um ás em apenas três dias.

junkers_ju87_b-1_6g-hr_4-stg_1_france_1940

A Batalha de Kursk envolveu milhares de aeronaves, com cada lado buscando obter o controle dos céus sobre o campo de batalha. Ivan e seus companheiros realizaram diversos tipos de missões como escolta, caça livre e interdição. A Batalha de Kursk foi um marco do desenvolvimento da forma e dos métodos das táticas operacionais aéreas da aviação soviética na Segunda Guerra Mundial. No primeiro estágio de defesa, os pilotos soviéticos realizaram mais de 70 mil missões, das quais 76% foram de apóio tático, 18%  de ataque a longa distância, restando 6% para defesa, abatendo 1.500 aeronaves alemães e perdendo mil. Durante a contra-ofensiva, os soviéticos realizaram mais de 90 mil missões, com 50% de ataque a tropas, 31% de superioridade aérea. Os alemães perderam 2.200 aeronaves.

Kozhedub e sey LaG-5
Kozhedub e sey LaG-5

O sucesso soviético crescente na guerra aérea foi resultado do treinamento de jovens pilotos na arte de pilotagem e de tiro aéreo, pois se um piloto de caça consegue controlar bem sua aeronave, de modo automático, ele tem condições de realizar manobras extremas, de aproximar-se das aeronaves inimigas, mirar de forma precisa e abate-las. É muito importante ser diligente em qualquer situação. No primeiro estágio de aprendizagem de combate aéreo, aprende-se as táticas da batalha aérea e como abater uma aeronave inimiga. O segundo estágio começa no treinamento antes das batalhas, e Ivan participou de várias batalhas e em cada uma tirou fortes lições.

Ao tornar-se comandante de esquadrão, ele começo a liderar grupos de aeronaves e a direcionar as ações dos pilotos em combate. O próximo estágio que ele passou foi o denominado, operações de lobo solitário. Sendo sub-comandante do regimento a partir do 1º Front da Bielorrússia, ele passou a voar com um ala, em caça livre, em busca de alvos de oportunidade.

Mapa do avanço máximo das forças alemãs em território soviético
Mapa do avanço máximo das forças alemãs em território soviético
Aperfeiçoamento em combate e o La-7

Em meados de outubro de 1943 o experiente Tenente Kozhedub havia completado 146 combates aéreos e abatido 20 aviões inimigos. Naquela época ele já acumulava o mesmo nível de experiência que seus rivais alemães, grandes mestres da aviação de caça tendo acumulado experiência em outras frentes de batalha ao longo da guerra que já se estendia por 4 anos. Koszhedub combinava suas técnicas de pilotagem com sua exímia habilidade de tiro.

Legado de Kozhedub na Segunda Guerra Mundial

Sobre o Dniepre, pilotos do regimento de Kozhedub enfrentaram o Esquadrão Jagdgeschwader 51 (JG 51) Mölders e venceram o duelo. Ivan Kozhedub aumentaria sua contagem naquela oportunidade. Em dias de combate intenso ele derrubou 11 aviões inimigos. Foi então agraciado com a Ordem do Herói da União Soviética em 4 de fevereiro de 1944.

Violento, incansável, bravo e habilidoso, Kozhedub era o caçador ideal. Seu apreço por sua aeronave era como uma religião. Ivan disse certa vez “O motor funciona com precisão. O avião é obediente a cada movimento. Não estou sozinho – meu companheiro de combate está comigo como um único corpo, somos um só.” Para Kozhedub isto não era poesia, exagero ou metáfora, ao se aproximar do cockpit antes de cada voo sempre lhe rendiam palavras carinhosas à sua máquina de combate.

Ivan Kozhedub sobre o cockpit de seu avião, donato pelo fazendeiro V. Konev, 1944.
Ivan Kozhedub sobre o cockpit de seu avião, donato pelo fazendeiro V. Konev, 1944.

Em maio de 1944, Kozhedub foi promovido a capitão e tornou-se comandante de um esquadrão. Com 38 vitórias em sua contagem, ele receberia o novo La-5F – um presente de um fazendeiro chamado Vasily Konev. Konev doou dinheiro ao Exército Vermelho e solicitou que a aeronave levasse o nome de seu sobrinho, o Tenente Coronel Georgy Konev, um piloto de caça que havia morrido em combate. A solicitação foi então atendida e o avião foi transferido a Kozhedub. Obtendo oito vitórias com a nova aeronave em apenas sete dias. Esta aeronave era uma versão simplificada do La-5 desenvolvido em 1942, mas possuía um motor melhorado, com injeção direta de combustível. Dessas oito vitórias, cinco foram contra caças Fw-190.

Na metade do ano 1944 o Capitão da Guarda Ivan Kozhedub havia somado 256 missões de combate e abatido 48 aviões inimigos. Em 19 de agosto de 1944 foi agraciado com a segunda medalha, desta vez a Estrela Dourada de Herói da União Soviética.

Ainda em 1944, tornou-se sub-comandante do 176º Regimento de Caça operando no front da Bielorrússia e voando a aeronave La-7 Nº 27, no qual obteve suas últimas 17 vitórias. Ivan inicialmente não havia gostado deste novo posto, pois acreditava que não poderia mais voar, mas ao descobrir as missões de lobo solitário ficou satisfeito. Realizava essas missões logo pela manhã, e tinha o resto do dia para coordenar as operações do regimento, analisando os resultados obtidos. Às 21 horas, ele juntava o pessoal no cassino de oficiais e comentava os resultados obtidos no dia. Nessa fase da guerra ele voava com seu amigo Dmitry Titarenko.

O regimento realizou 9.450 missões nesse período, das quais 4.016 eram do tipo lobo solitário. Nas missões de lobo solitário foram realizados 750 combates com 389 vitórias.

O La-7 era uma aeronave com excelente desempenho e características de vôo. Era muito obediente ao piloto, e bastante veloz para os padrões da época. Para Ivan o La-7, o La-9 e o Yak-3 eram aeronaves perfeitas, atingindo o máximo possível de uma aeronave à pistão.

Perfil do La-7 pilotado por Kozhedub
Perfil do La-7 pilotado por Kozhedub

O La-7, mesmo sendo uma aeronave de madeira, era robusta e confiável, sendo que a de Nº 27 permaneceu com Ivan por mais de 10 meses de combate. A resposta está na simplicidade dos Lavochkins, e seus projetistas ouviam muito a área operacional. A margem de segurança da aeronave era tanta que os pilotos podiam exceder em muito os limites previstos. Era muito comum Ivan ultrapassar a força G prevista em projeto em mais de duas vezes, chegando a atingir a velocidade de 700 quilômetros por hora ou mais. O La-7 era uma versão melhorada do já bom La-5FN, equipado com um motor M-82FN. Lavochkin modificou as derivas, trocou a posição das entradas de ar e reforçou a parte central das asas.

O encontro com o Me-262

No dia 19 de fevereiro de 1945, durante uma operação militar próxima a Frankfurt (Oder), Kozhedub subiu aos seus com seu ala Dmitry Titorenko, Ivan então avistaria uma aeronave desconhecida voando à uma velocidade inalcançável ao La-7 num altitude de 3500 metros.

me-262-kozhedub

Kozhedub mais tarde descrevera o duelo: “O que é aquilo? Meu parceiro não pestanejou e abriu fogo contra o inimigo! Mas a aeronave começou a mover-se à esquerda, em minha direção mas perdendo velocidade. A distância foi rapidamente reduzida e eu me aproximei do inimigo. Com uma ação quase involuntária eu disparei contra ele. O jato logo guinou em direção ao solo.” Aquele era o recém introduzido Me-262, pilotado popr Kurt Lange, e uma das últimas armas secretas da Luftwaffe que fora utilizada em combate ao fim da guerra, num esforço desesperado para mudar as marés do conflito, inutilmente. Ivan utilizava uma tática de sempre atacar as aeronaves inimigas em curvas, ascendentes ou descendentes, nunca em linha reta.

Abaixo, uma gravação da época durante combate aéreo entre um P-51 Mustang americano e um Messerschmitt Me-262.

Último combate aéreo e o estágios finais da guerra

Seu último combate aconteceu na tarde do dia 17 de abril, numa missão de lobo solitário, sobre os subúrbios de Berlim, acompanhado com o Tenente Titorenko. Eles foram surpreendidos ao encontrar uma formação de quarenta Focke-Wulf Fw-190 com bombas, voando a uma altitude de 3.500 metros em sua direção. Ele subiu com sua aeronave pela esquerda, e posicionou-se nas nuvens por trás da formação inimiga. Ivan não estava em vantagem, mas decidiu atacar de qualquer maneira, já que os caça-bombardeiros dirigiam-se contra as tropas russas. Voando a velocidade máxima, aproximaram-se da parte de trás da formação, tendo o Sol pela retaguarda. Abriu fogo quase a queima roupa, no ala do último par de aeronaves, que caiu em chamas nos subúrbios da cidade. Algumas aeronaves voltaram-se para oeste, abandonando o ataque, mas outras prosseguiram em seu rumo.

Fw-190 - World o Tanks
Fw-190 – World o Tanks

Ivan e seu ala decidiram continuar o ataque, tentando quebrar a formação das aeronaves que dirigiam-se em direção às tropas russas. Realizaram então um mergulho por dentro da formação germânica, confundindo-os. Os caças alemães ejetaram suas bombas e formaram um círculo defensivo e começaram a ataca-los.  Seu ala logo abateu um Fw-190 que perseguia Ivan, mas em seguida eles vislumbraram outros caças russos chegando ao local da batalha e decidiram abandonar o combate. Nessa hora ele vislumbrou um solitário Fw-190 ainda mantendo sua bomba e mergulhando sobre a cidade. Imediatamente Ivan mergulhou seu caça, alcançou o 190 e o abateu. Retornaram a sua base, com os tanques de combustível quase vazios.

Em 18 de agosto de 1945 receberia novamente a medalha de Herói da União Soviética por seus feitos durante o conflito, habilidades e exímia coragem em combate.

Selo comemorativo com a medalha de Herói da União Soviética
Selo comemorativo com a medalha de Herói da União Soviética
Pós-Guerra, carreira militar e seu legado

Após a guerra, Ivan finalmente graduou-se pela Academia Militar e passou a ocupar diversos postos importantes, mas ele sempre lembra com orgulho de sua época como instrutor.

as-lendas-pokryshkin-zhukov-kozhedub
Foto tirada em 1967, na capital soviética.

Ele sempre preferiu voar no La-7, pois considerava-o o melhor entre os melhores e adorava ir até o Museu de Aeronáutica em Monino, à cerca de 35 km a noroeste de Moscou e sentar na cabine de seu La-7. Ele dizia que entrar na cabine do La-7 sempre o fazia feliz.

ivan-kozhedub_1

Ivan Kozhedub realizou um total de 330 missões de guerra, com 120 combates aéreos, abatendo 62 aeronaves confirmadas. Seu apelido era Ivan o Terrível. Sempre favoreceu os caças Lavochkin e usou táticas de ataques-surpresa para atingir os inimigos à queima-roupa. A alta velocidade e robusta construção dos Lavochkins permitiram que ele aperfeiçoasse esse tipo de ataque. A maioria de seus oponentes não percebeu que estavam em sua mira até serem alvejados.

Ivan Kozhedub como Coronel-General (em 1985 seria promovido a Marechal do Ar), três vezes Herói da União Soviética, foto de 1980 - RIA Novosti - Vladimir Malyshev
Foto de 1980 – Ivan Kozhedub como Coronel-General (em 1985 seria promovido a Marechal Aviador), três vezes Herói da União Soviética – RIA Novosti – Vladimir Malyshev

Durante a Guerra da Coréia, ele demonstrou excepcional liderança, quando sua unidade abateu 239 aeronaves da ONU sendo 12 delas bombardeiros Boeing B-29 Superfortress, com a perda de apenas vinte e sete MiG-15 e 9 pilotos. Mais tarde, entre 1956 e 1963,  ele tornou-se Inspetor de Treinamento Aéreo da VVS, e em janeiro de 1964 tornou-se Sub-Comandante das Forças de Moscou. Em 1967 foi nomeado Presidente da Federação de Esportes de Aviação e Vice-Presidente da Federação Internacional de Aviação. Mais tarde foi promovido a Marshal Aviatsii (Marechal Aviador) e designado Inspetor do Ministério de Defesa Soviético.

Ele acredita que o número total de suas vitórias é muito maior do que 100, pois muitas não foram confirmadas ou ele creditou a seus alas.

Ivan Kozhedub distribui autógrafos na Praça Vermelha em Moscou durante as comemorações do Nove de Maio - Oleg Ivanov/TASS (Foto por TASS via Getty Images)
Ivan Kozhedub distribui autógrafos na Praça Vermelha em Moscou durante as comemorações do Nove de Maio – Oleg Ivanov/TASS (Foto por TASS via Getty Images)

Kozhedub somava inúmeras condecorações sendo elas as de Herói da União Soviética e a Ordem de Lenin por três vezes (1944, 1944 e 1945), sete Ordem do Estandarte Vermelho, duas Ordem de Alexander Nevsky, duas Ordem da Estrela Vermelha, Ordem da Guerra Patriótica de Primeira Classe, e outras inúmeras medalhas. Foi promovido a Marechal pouco antes de sua aposentadoria.

O Marechal Aviador Ivan Nikitovich Kozhedub morreu em 8 agosto de 1991, aos 71 anos de idade. Em sua honra a Universidade da Força Aérea Kozhedub, localizada em Karkhov, foi batizada em seu nome.

Uma dos últimos registros fotográficos da lenda um ano antes de seu falecimento
Uma dos últimos registros fotográficos da lenda um ano antes de seu falecimento

0 4612
Os FW-190A3

Cinquenta dos 72 aviões de guerra desaparecidos há 70 anos atrás foram encontrados enterrados em um antigo aeroporto na cidade de Kayseri, Provícia de Anatólia na Turquia. Os FW-190A3 foram enterrados a mando dos Estados Unidos. Eles desapareceram em 1947 quando os americanos decidiram enviar ajuda militar à Turquia e foram “deletados” do inventário do plano de auxílio.

0a34186c000005dc-3839195-image-a-2_1476489689898

Com a chegada da era dos aviões à jato, estes exemplares movidos à turboélice foram esquecidos. Esforços para encontrar os 72 aviões começaram em 2015 e testes com detectores foram conduzidos. As máquinas foram capazes de determinar a localização dos aviões, mas a grande burocracia envolvida impediu que fossem desenterrados imediatamente.

Estes aviões possuíam extrema significância em termos de produção. A cooperação entre Alemanha e Turquia continuou após a Primeira Guerra Mundial e pavimento o caminho para a produção cooperativa conduzida pela empresa Alemã, Junkers. Mais tarde, a primeira fábrica de aeronaves turca foi fundada, produzindo modelos A-20.

Este pacto foi mantido mediante um acordo comercial entre a Alemanha de Hitler e a Turquia em 1941 devido aos esforços do chanceler alemão Franz von Papen. A Turquia vendeu minério bruto (Ferro e Cromo) para a Alemanha, e em troca, adquiriu 72 caças modelo FW-190A3.

Estes aviões, cujas peças foram produzidas na região da Anatolia, foram trazidos em 1943. Fizeram seu primeiro vôo em 10 de julho de 1943, e foram distribuídos à 5 províncias turcas. Um total de 50 aviões foram enviados a Kayseri antes de desaparecerem em 1947.

3965218400000578-3839195-image-a-13_1476490317691

De acordo com os novos documentos encontrados, os EUA solicitaram que a Turquia destruísse todos os FW-190A3 para que pudessem os vender seus aviões utilizados durante a Segunda Guerra Mundial. Como resultado de uma longa conversa em Ancara, estes aviões nunca mais foram vistos.

Aeroporto de Kayseri
Aeroporto de Kayseri

Uluhan Hasdal, autoridade que investigava o paradeiro dos aviões por 25 anos, alegou que os EUA ofereceram seus aviões à Turquia sem cobrança na condição de que os caças alemães fossem destruídos.

“Os EUA queriam nos enviar os aviões sem custo. No entanto, havia apenas uma condição; a destruição completa da tecnologia alemã. Aproximadamente 50 aviões foram trazidos ao Aeroporto de Kayseri e deixados de fora do inventário. De acordo com documentos, os aviões foram enterrados em invólucros de tecido cobertos com óleo,” disse Hasdal.

“As autoridades alemãs me disseram que os aviões eram resistentes a corrosão e poderiam voar logo após serem desenterrados.” disse ele.

Fonte: Daily Mail

0 3209

O Japão até hoje encara cicatrizes dos crimes de guerra por ele cometidos. Os ferimentos não se fecharam em vizinhos como a China e as Coreias (tanto a do Sul quanto a do Norte). No entendimento de algumas pessoas, esses países deveriam passar de uma vez por todas uma borracha no passado. Para outros, a história simplesmente não pode ser esquecida.

Coreias e China têm diversas reclamações quanto ao passado imperialista japonês. Uma delas, feita pelos chineses, diz respeito ao evento que ficou conhecido como o estupro de Nanquim (também chamado às vezes de “Massacre de Nanquim”).

Nanquim era a capital da China, quando ocorreu o episódio, em 1937 e 1938. O massacre durou seis semanas e não poupou mulheres nem crianças. Estima-se que vinte mil chinesas foram assassinadas ou estupradas, inclusive garotas com menos de dez anos de idade. O episódio é tido como o que mais gerou cicatrizes decorrentes da Segunda Guerra Sino-Japonesa.

A China já estava muito enfraquecida, devido a inúmeros conflitos internos. Desde 1926, o poder no país vinha sendo disputado por nacionalistas e comunistas, estes liderados por Mao Tsé-Tung.

Essas disputas internas fragilizaram tanto a China que algumas regiões do país já estavam sob o controle de nações estrangeiras. O Japão, que tinha ocupado a área da Manchúria, avançou suas tropas país adentro, quando percebeu que os nacionalistas pretendiam retomar a região.

mapa-nankin

Em 1937, o Japão investiu contra o litoral chinês. Para dominar Xangai, precisaram de quatro meses de batalhas, que tiraram a vida de 250 mil chineses e 40 mil japoneses. Os chineses, perdendo a guerra, deslocaram-se para Nanquim. No caminho, destruíram as plantações de arroz e todas as comidas que poderiam servir de alimento para os japoneses.

Em 5 de dezembro de 1937, as tropas japonesas invadiram Nanquim. O comandante chinês (o general Tang Shengzhi) ainda recrutou cem mil soldados na cidade, como uma medida desesperada para conter o avanço nipônico. Em vão. O Japão não precisou de mais do que oito dias para aniquilar os chineses de Nanquim.

Do lado japonês, quem estava à frente das tropas era o general Asaka Yasuhiko. Ele determinou a morte de todos os prisioneiros de guerra. Os soldados foram enforcados e fuzilados. Os civis, afoitos, tentaram se esconder em templos, mas a maioria foi massacrada. Muitos deles, levados pelos japoneses até uma cratera em uma pedreira, foram enfileirados e assassinados. Anos depois, foi criado, nesse local, um memorial em homenagem às vítimas do evento.

Quando o general Iwane Matsui assumiu a frente do comando, as coisas pioraram ainda mais. Os soldados começaram a disputar quem matava mais bebês e decapitava mais chineses. No jogo, os concorrentes precisavam trazer a cabeça das vítimas, para que pudessem fazer a contagem final. Vivissecção (o ato de dissecar uma pessoa enquanto ela ainda está viva) também virou prática recorrente.

As chinesas (assim como outras asiáticas) viraram “mulheres de conforto”. Há relatos de pilhas de cabeças e corpos esquartejados pelas ruas da cidade.

Em 1938, já oficialmente derrotada, a China viu Hong Kong também ser tomada pelos japoneses. O Japão, que já tinha outros países sob domínio, só não conseguiu invadir a Rússia.

Hoje, felizmente, as relações entre China e Japão estão relativamente normais. Vez ou outra aparecem mágoas de outrora. É muito importante a existência de pessoas que pedem para que o passado seja deixado para trás, mas também é fundamental entender a origem de muitas dessas feridas que, pelo menos para alguns, ainda não cicatrizaram na Ásia.

fonte: Mundo Estranho

Equipamento usado por sargentos britânicos durante a Batalha do Somme, 1916.
O fotógrafo Thom Atkinson retorna com mais uma de suas séries de fotografias com equipamentos militares. Desta vez, são os utilizados pelos britânicos, franceses, alemães, russos e americanos durante as batalhas da Primeira Guerra Mundial.
Equipamento usado por sargentos britânicos durante a Batalha do Somme, 1916.
Equipamento usado por sargentos britânicos durante a Batalha do Somme, 1916.

Há algum tempo atrás, postamos um artigo sobre a série de fotografias tiradas por Atkinson documentando os kits dos soldados britânicos através de 1000 anos de história. Dá Batalha de Hastings (1066) à Bosworth (1485), passando por Naseby (1645), Ilhas Malvinas (1982) e a Província de Helmand, no Afeganistão –  em seguida mostrando o kit do Sapeiro de Suporte dos Engenheiros Reais.

A última série de fotografias de Atkinson, novamente publicada na Revista Telegraph (18 de junho), faz uma análise através dos kits usados por algumas das nações envolvidas na Grande Guerra.

Foto de capa: equipamento usado por sargentos britânicos durante a Batalha do Somme, 1916. Acima: equipamento do soldado alemão durante a Batalha do Somme, 1916, 
Equipamento do soldado alemão durante a Batalha do Somme, 1916

É possível ver nestas imagens as evoluções do armamento militar durante o curso da guerra. Por exemplo, quando os americanos juntaram-se ao esforço aliado em 1917, eles vestiam chapéus de campanha feitos em couro de castor e feltro, e as cintas eram feitas com fibras de corda.

Eles rapidamente optaram por usar os capacetes franceses ou britânicos feitos em aço. Já os alemães tinham suas típicas botas que cobriam as canelas, que muitas vezes eram sugadas ao pisar na espessa camada de lama durante as batalhas na “terra de ninguém”. Para suas botas, a falta de couro levou os aliados a calçá-las juntamente com bandagens enroladas em suas canelas.

Em termos de camuflagem, os franceses entraram na guerra vestindo calças e quepes vermelhos. Os quepes foram mais tarde cobertos com um espécie de tecido mais grosso, e então foi criado e introduzido o Capacete de Adriano, em 1915. Em ambos os lados da guerra os soldados carregam uma baioneta, agulha e linha, e uma pequena bíblia, livro de orações ou talismã. Estes itens eram muito frequentes nas fileiras.

O kit usado pelo soldado raso francês durante a Batalha de Verdun, 1916.
O kit usado pelo soldado raso francês durante a Batalha de Verdun, 1916.

Abaixo, este interessante grupo de equipamentos pertencenteu a um membro do Exército Russo, e foi de fato usado por um membro do 1º Batalhão Feminino da Morte. Em 1917, antes da Revolução Bolchevique, batalhões inteiramente compostos por mulheres foram criados com o intuito de reascender a moral do exército russo, já dizimado e desmoralizados pelo combate incessante. Pensava-se que instituindo uma concorrência utilizando mulheres, o sexo frágil para a época, criaria-se um novo espírito de combate. Mas nada aconteceu. Este kit é o de uma Suboficial Mladhsi (oficial não comissionado).

As soldados mulheres, assim como os homens, usavam uma camisa (pullover) chamado de “gymnasterka”. A touca com duas caudas (ao lado dos chapéus à esquerda) eram usadas sobre o bashlik, que era vestido na cabeça e enrolado sobre a face. Soldados eram proibidos de usá-lo a menos que a temperatura caísse para -5º celsius.

Equipamento usado pelo 1º Batalhão Feminino da Morte
Equipamento usado pelo 1º Batalhão Feminino da Morte
Uniforme de Infantaria do exército americano (Doughboy), logo após sua chegada na França, 1917.
Uniforme de Infantaria do exército americano (Doughboy), logo após sua chegada na França, 1917.

 

Ases da Primeira Guerra Mundial
Manfred von Richthofen, o famoso Barão Vermelho, foi o mais condecorado piloto alemão da Primeira Guerra Mundial. No entanto, haviam outros ases tão bons quanto e até melhores e mais habilidosos.
10

Max Immelmann

O lendário Max Immelmann foi o primeiro ás alemão de todos os tempos. E também foi o primeiro aviador a ser condecorado com a mais alta comenda de sua nação, a Pour le Merite, que ficou conhecida como “The Blue Max” em sua honra. Nascido em setembro de 1890, Immelman reintegrou-se às forças armadas alemãs como piloto no início da guerra. Ele havia se pré-alistado como cadete aprendiz ainda com 14 anos antes de deixar o exército em 1912 para estudar.

Durante seu primeiro alistamento (ao trabalhar como carregador e mensageiro entre os campos de aviação), Immelmann foi agraciado com a Cruz de Ferro de Segunda Classe, conduzir e pousar seu avião seriamente danificado dentro das linhas alemãs. Sua primeira vitória chegou em 1 de agosto de 1915, quando abateu um dos 10 aviões que fizeram um ataque ao aeródromo alemão de Douai, dando a ele a Cruz de Ferro de Primeira Classe.

Em outubro de 1915, Immelmann defendeu sozinho a cidade de Lille contra os pilotos aliados. Por esta façanha ele foi apelidado pelo povo alemão de “Adler von Lille” (“A Águia de Lille”). Em um de seus grandes feitos nos ares de Lille foi quando entrou em um combate aéreo contra o famoso Capitão O’Hara Wood e Ira Jones em um BE-2c. No entanto, perderam suas armas no início da batalha, e tiveram sorte de escaparem ilesos pois Immelmann ficou sem munição. Em janeiro de 1916, ele tornaria-se o primeiro ás a somar oito vitórias aéreas e ser agraciado com a Pour le Merite.

Em 18 de junho de 1916, A Águia de Lille deparou-se com seu fim. Como muitos ases da época, a causa da morte de Immelmann ainda é uma incógnita. Enquanto os aliados alegam que ele foi abatido pelo Tenente G.R. McCubbin e seu artilheiro, Cabo J.H., em um FE-2, autoridades alemãs constataram que ele foi vítima de fogo anti-aéreo amigo. A contagem final das batalhas de Immelmann somavam 15 vitórias, apesar de algumas fontes afirmarem 17.

9

Oswald Boelcke

Durante guerras, poucas pessoas foram reconhecidas em ambos os lados do conflito. Oswald Boelcke foi uma destas durante a Primeira Guerra Mundial. Ele se alistou às vésperas da guerra em 1914 como observador juntamente com seu irmão, Wilhelm. Logo transferiu-se para um esquadrão aéreo, Sessão 62, onde conseguiu sua primeira vitória em agosto de 1915. Tornou-se amigo de Max Immelmann, e juntos criaram um grande espírito competitivo.

Em janeiro de 1916, Boelcke fez sua oitava vitória no mesmo dia que Immelmann, tornando-se o segundo ás alemão. Foram os primeiros pilotos a serem agraciados com a Pour le Merite. Após a morte de Immelmann em junho, Boelcke foi ordenado pelo kaiser a não levantar vôo por um mês para que não corresse o risco de ser morto. Enquanto permaneceu no solo, contribuiu para reformas que resultaram na reorganização do Serviço Aéreo do Exército Imperial. Instituiu o uso da formação de vôo ao invés dos comuns esforços individuais, originando a criação dos Esquadrões Jasta (Jagdstaffel – esquadrão de caça). Como sendo o líder do recém criado Jasta 2, criou o trio de ases composto por Manfred von Richtofen, Hans Reinmann e Erwin Boehme para compor seu esquadrão.

Apesar de Boelcke possuir o sangue de muitos pilotos aliados em suas mãos, ele também ganhou fama de estar entre os poucos homens cavalheiros a zunirem nos céus europeus. Dias após sua primeira vitória, ele salvou um garoto francês de afogar-se em um canal próximo ao aeródromo alemão. Foi agraciado com a Medalha Prussiana do Salva-vidas após todos os esforços do pai do garoto para que recebesse a Medalha de Honra da Legião Francesa. Outro feito heróico e respeitável de Boelcke aconteceu em janeiro de 1916, quando abateu dois pilotos franceses. Enquanto visitava um deles em um hospital em território alemão, o francês o entregou uma carta, Boelcke cumpriu seu favor ao francês e despejou atrás das linhas inimigas apesar do fogo pesado.

Boelcke perdeu sua vida em 28 de outubro de 1916, quando seu avião colidiu com o de Behme. Na época de sua morte, o piloto de 25 anos era o ás de de maior reconhecimento somando 40 vitórias confirmadas. O legado de Boelcke, além de ser o patrono da força aérea alemã (Luftstreitkräfte), incluía sua obra literária chamada Dicta Boelcke, o primeiro livro contendo regras de combate aéreo. Até mesmo depois de sua morte, seus apadrinhados, especialmente o Barão Vermelho, contemplavam esta obra em alta conta.

8

Lothar Von Richthofen

Mais lembrado atualmente como sendo o único irmão mais novo do Barão Vermelho, Lothar von Richthofen era ainda um pequeno ás durante a Primeira Guerra Mundial, mas considerado ainda mais temido e mortal do que seu famoso irmão. Nascido dois anos depois de Manfred, Lothar era um oficial de cavalaria antes do início da guerra. Ele então transferiu-se para o Serviço Aéreo Imperial e recebeu sua aeronave em 1915. Ele voou como observador com o Esquadrão Jasta 23 até 1917, quando foi transferido para o Jasta 11, o esquadrão que seu irmão fazia parte na época.

Após sua primeira vitória em 28 de março, o irmão mais novo do Barão saiu rapidamente da sombra de seu irmão ao somar 24 vitórias em um mês e meio. Entre uma destas vitórias havia a imbatível façanha de derrubar o famoso ás inglês, Albert Ball. Foi agraciado com a Pour le Merite em 14 de maio. Reconhecido por seus companheiros por seu estilo agressivo de combate, Lothar passou mais tempo na cama do hospital do que em batalha. Após uma de suas estadias no hospital, Lothar voltou para a guerra por alguns meses antes de ser abatido novamente em 12 de agosto de 1918, encerrando sua guerra.

Após a guerra, Lothar trabalhou por um tempo curto em uma fazenda antes de tornar-se piloto comercial. Perdeu sua vida em um acidente aéreo em julho de 1922. Acreditado com 40 vitórias, o jovem Richthofen talvez tivesse sido tão famoso e respeitado quanto se irmão caso tivesse adotado um método de combate mais seguro.

7

Ernst Udet

O trágico fim de Ernst Udet, o maior ás a sobreviver a guerra, teve um grande contraste com sua vida peculiar. Após passar por dificuldades ao alistar-se no exército devido à sua altura, nascido em Frankfurt, Udet juntou-se ao programa de voluntários motociclistas aos 18 anos. Em 1915, conseguiu transferir-se para o Serviço Aéreo Alemão. Como muitos pilotos amadores, começou como observador antes de ser transferido para o Flieger Abteilung 68, onde conseguiu sua primeira vitória sozinho contra 22 aeronaves inimigas em 18 de março de 1916. Foi agraciado com a Cruz de Ferro de Primeira Classe.

No início de 1917, o Flieger Abteilung 68, agora nomeado Jasta 15, ficou estacionado no fronte de Champagne no lado oposto ao Esquadrão Spork, que tinha consigo Georges Guynemer, o grande ás francês. Como ironia do destino, Udet cruzou com Guynemer em uma das mais prolíficas batalhas aéreas da guerra. O ás alemão colocou seu oponente francês em sua mira, mas sua arma emperrou. Guynemer, percebendo a sorte grande que havia tido, simplesmente acenou e poupou o amedrontado ás alemão frente a situação inusitada.

No ano seguinte Udet, recém promovido, liderou diversos esquadrões incluíndo o Circo Voador, aumentando sua contagem de vitórias a 16. Foi então agraciado com a Pour le Merite no início de 1918. Após uma ausência por doença, retornou à guerra como líder do Jasta 4. Recebeu então seu novo avião, um Fokker D VII, pintado com as palavras Lo (em homenagem à sua namorada, Lola Zink) e du doch nicht (“você não”) com o objetivo de provocar os pilotos aliados. Somava 62 batalhas antes do fim da guerra após uma impressionante série de abatimentos que resultaram em 27 aeronaves ao final de setembro.

Após a guerra, Udet viveu o ponto alto de sua vida quando atuou em vários filmes, escreveu uma autobiografia, e fez inúmeros show aéreos ao redor do mundo. Em 1934, teve a infeliz decisão de alistar-se na Luftwaffe e lentamente subiu à patente de Coronel General. Udet sofreu um surto após ser acusado por Hermann Goring de ter sido o principal responsável pela perda de muitas batalhas alemãs. Em 17 de novembro de 1941, suicidou-se com um tiro na cabeça. Foi sepultado como herói pelos nazistas, que alegavam que ele havia sido morto por engano ao testar uma nova arma.

6

Erich Lowenhardt

Erich Lowenhardt

Antes de Erich Lowenhardt ter se voluntariado ao Serviço Aéreo Alemão em 1916, foi agraciado com a Cruz de Ferro de Primeira Classe por sua bravura como membro de uma unidade de infantaria um ano antes. Após um tempo curto como observador, foi transferido ao Jasta 10 no início de 1917. Logo, ganhou uma temida reputação entre seus colegas após nomeado líder de seu esquadrão. Em novembro de 1917, Lowenhardt teve sorte de escapar ileso de um sério acidente aéreo quando seu avião foi abatido por fogo anti-aéreo inimigo. Ele foi agraciado com a Pour le Merite após completar 24 vitórias em maio de 1918.

Envolveu-se em uma competição aérea por vitórias juntamente com Ernst Udet e Lothar von Richthofen, foi apontado como líder número um dos circos voadores em junho de 1918. Em agosto, tornaria-se um dos únicos três alemães a somarem mais de 50 vitórias aéreas na guerra. (O Barão Vermelho e Udet eram os outros dois.) Em 10 de agosto, o avião de Lowenhardt chocou-se com o avião de um colega alemão, Alfred Wentz. Lowenhardt saltou, mas seu paraquedas falhou durante a abertura, resultando em sua morte. Wentz sobreviveu. Lowenhardt é visto hoje como um dos melhores pilotos da Primeira Guerra Mundial por suas 54 vitórias confirmadas, sendo metade delas acumuladas seis semanas antes de sua morte.

5

Eduard Von Schleich

Eduard Von Schleich

Em 1908, Eduard von Schleich juntou-se às linhas de frente do Exército Alemão. Mais tarde transferiu-se para o serviço aéreo enquanto recuperava-se de um sério ocorrido que o feriu em uma batalha ao final de 1914. Em 1915, juntou-se ao Feldflieger-Abteilung 2b como piloto e logo recebia sua Cruz de Ferro de Primeira Classe, por completar uma missão vital mesmo tendo um de seus braços severamente ferido. Após recuperar-se, von Schleich solicitou e recebeu transferência para o Jasta 21 em março de 1917.

O Jasta 21, que não possuía grandes feitos nos registros de combate entre os esquadrões alemães, evoluiu rapidamente sob o comando de Schleich. Em julho, ele perdia um grande amigo, o Tenente Erich Limpert, fato que mais tarde o levaria a pintar sua aeronave inteiramente de preto em sua honra. Com isto, ele seria então conhecido como “O Cavaleiro Negro”, e seu esquadrão receberia o apelido de “O Esquadrão do Homem Morto”. Em setembro, o Esquadrão do Homem Morto entrava em uma sequência de batalhas com abatimentos bem sucedidos tirando 40 aeronaves inimigas de combate, 17 delas acreditadas ao Cavaleiro Negro.

Após uma breve ausência devido a ferimentos, von Schleich foi transferido ao Jasta 32. O motivo por trás deste realinhamento era uma ordem onde permitia que apenas prussianos liderassem unidades ou esquadrões, pois von Schleich era bávaro. Em dezembro, ele recebia seu Pour le Merite após alcançar 25 vitórias confirmadas. Por um curto período de tempo ele comandou um dos circos voadores o Jagdgruppe Número 8, uma unidade composta por três Jastas (23, 32, e 35), antes do armistício. Von Schleich terminou a guerra com 35 vitórias confirmadas apesar de passar mais de um ano no fronte em terra. Após a guerra, trabalhou na Lufthansa e mais tarde alistou-se na Luftwaffe, onde recebeu a patente de general antes de se aposentar. Ele faleceu em 1947.

4

Hans-Joachim Buddecke

Hans-Joachim Buddecke

Em 1904, Hans-Joachim Buddecke seguia os passos de seu pai ao alistar-se no corpo de cadetes do Exército dos Estados Unidos. Nove anos depois, mudou-se para Indianapolis após pedir baixa do serviço militar. Durante o ano seguinte, trabalhou como mecânico de aeronaves e teve a oportunidade de aprender a pilotar. Quando a guerra eclodiu na Europa, Buddecke voltou à Alemanha para entrar para o Serviço Aéreo ao final de 1914. Voou como observador antes de ser transferido para o 23º Esquadrão FFA (Feldflieger Abteilung).

A primeira batalha aérea de Buddecke ocorreu em 19 de setembro de 1915 e rendeu a ele a Cruz de Ferro de Primeira e Segunda Classes, após capturar tripulantes de uma aeronave abatida. Seriam eles o Tenente W.H. Nixon e o Capitão J.N.S. Stott. Em 1916, após uma brilhante atuação na Batalha de Dardanelos, na Turquia, ele foi agraciado com a Pour le Merite ao abater seu oitavo oponente. Tornaria-se então, o terceiro ás alemão, apenas atrás de Immelmann e Boelcke, a receber a Blue Max.

Buddecke foi reconvocado à Europa, onde liderou o Jasta 4 antes de ser transferido ao Jasta 14. E mais tarde seria obrigado a voltar à Turquia, onde liderou com sucesso a campanha de Gallipoli e recebeu a medalha turca Liakat Dourada (algo similar a medalha de honra ao mérito). Os soldados turcos que puderam contemplar as atuações de Buddecke o apelidaram de “El Schahin”, que significa “O Falcão Caçador.”

Mais tarde, e mais uma vez, Buddecke era convocado a atuar na Europa onde comandaria diferentes Jastas antes de ser morto durante um combate em céus franceses no dia 10 de março de 1918, com 27 anos. Buddecke foi acreditado com 13 vitórias confirmadas antes de sua morte.

3

Werner Voss

Pergunte à qualquer um, quem foi o maior ás da Primeira Guerra Mundial e você certamente vai ouvir o nome do Barão Vermelho. No entanto, Werner Voss é tido pelos historiadores como o equivalente a ele ou talvez até melhor. Voss juntou-se ao Exército Alemão para atuar na cavalaria em novembro de 1914 com 17 anos. Mais tarde transferia-se ao Serviço Aéreo e rapidamente já estava voando como observador antes de ser integrado ao Jasta 2 para ser avaliado temporariamente em novembro de 1916.

Suas duas primeiras vitórias ocorreram em 27 de novembro de 1916, dando a ele lugar fixo no Esquadrão Jasta 2. Em maio do mesmo ano, Voss chamou a atenção do Barão Vermelho após sua 28ª vitória, que resultaria na prestigiada Pour le Merite em abril do mesmo ano. O Barão, então, ofereceu sua amizade ao único homem que parecia ameaçar sua fama. A verdade era que Manfred era um bom piloto, não tão espetacular voando, enquanto Voss era altamente eficiente em ambos. Voss foi convidado pelo Barão a juntar-se a um dos circos voadores onde conseguiu mais 14 vitórias antes de ser morto em 23 de setembro de 1917, em uma de suas maiores batalhas aéreas.

Naquele dia, Voss foi atacado por uma esquadrilha de sete aeronaves britânicas. Conseguiu mantê-los ocupados por 10 minutos antes de ser abatido por Arthus Rhys Davids. Voss, que somava 48 vitórias a seu nome na época de sua morte, foi descrito por James McCudden, o grande ás britânico, como o mais bravo piloto alemão que ele já tinha visto combater.

2

Josef Jacobs

Josef Jacobs

Josef Jacobs alistou-se no Serviço Aéreo Alemão em 1914. Após uma breve atuação como piloto de reconhecimento, Jacobs conseguiu sua primeira vitória em fevereiro de 1916, mas foi declarada não confirmada devido a falta de testemunhas. Em outubro, foi transferido para o Jasta 22, onde subsequentemente conseguiu sua confirmação de primeira vitória em 23 de janeiro de 1917. Acumulou três vitórias confirmadas e oito não confirmadas com no Jasta 22 antes de ser transferido para o Jasta 7, onde foi designado a comandá-lo em 2 de agosto de 1917.

Jacobs foi agraciado com a Pour le Merit após abater seu 24º oponente em 19 de julho de 1918. Ainda no mesmo esquarão, Josef abateu mais 24 aeronaves entre 13 de setembro e 27 de outubro, onde venceu a sua última batalha aérea da guerra.

Josef viveu o bastante para se tornar o mais antigo recipiente da Pour le Merite. Ele faleceu em 1978. Em uma entrevista reveladora uma década antes de sua morte, Josef confessou que apesar de seu longo tempo de serviço militar no Exército Alemão e sendo o quarto colocado (empatado com Werner Voss) entre os ases alemães, nunca recebeu as pensões por seus feitos por ser apenas um oficial de reserva durante a guerra.

1

Rudolf Berthold

Rudolf Berthold

Rudolf Berthold alistou-se no Exército Alemão em 1909 e foi transferido ao Serviço Aéreo Alemão para atuar em missões de reconhecimento quando a guerra eclodiu. Mais tarde transferiu-se a um esquadrão de combate, e no início de 1916, já somava cinco vitórias. Berthold ganhou reputação rapidamente por ser um piloto inconsequente levando a fama de ser facilmente abatido em combate. Após uma atuação breve no Jasta 4, ele foi nomeado comandante do Jasta 14 e logo ganharia sua Pour le Merite após atingir sua 12ª vitória. Em maio de 1917, Berthold sofreria uma fratura no crânio, pelvis e teve seu nariz quebrado após ser derrubado. Apesar de sua carreira parecer ter terminado devido aos ferimentos à aquela altura, Berthold levou apenas três meses para voltar ao combate, apesar de não estar completamente recuperado.

Em seguida, ele foi escolhido para liderar o Jasta 18, onde feriu seu braço direito severamente o deixando aleijado. Berthold, que não era desses que desistiam facilmente, aprendeu a voar com apenas uma mão. Tornou-se líder de um dos circos voadores e conseguiu abater mais 16 aeronaves com total sucesso antes de seu tempo de serviço chegar ao fim em 10 de agosto de 1918, quando foi abatido novamente.

Conhecido como “Homem de Ferro” por seus colegas devido a sua fama de ser quase imortal, Berthold atingiu 44 vitórias antes do fim da guerra. Foi morto em um protesto em solo alemão em 1920 com 29 anos ao receber tiros do mesmo povo que o motivou a entrar na guerra para protegê-los. Algumas fontes alegam falsamente que ele foi estrangulado até a morte com sua própria medalha Pour le Merite. Um fim trágico para um ás dos céus.

 

Quando tropas aliadas desembarcaram nas praias da Normandia no Dia-D, eles o fizeram juntamente com uma vasta variedade de blindados fora do comum designados a executar funções especiais

Os blindados que venceram o Dia-D

Em 19 de agosto de 1942, os aliados faziam seu plano de como invadir a Europa ocupada ao desembarcar tropas nas praias na tentativa de capturar os portos franceses.

Os franceses, à esta altura, já estavam sob o controle alemão por mais de dois anos. Os desembarques em Dieppe (Operação Rutter – Executada pelos ingleses, canadenses, americanos e tropas livres francesas) seriam um teste prático com o objetivo de simular uma invasão aliada com contingente suficiente para quebrar as fortes defesas alemãs.

As defesas das praias da Normandia eram formadas por casamatas, bunkers contendo canhões de grosso calibre, arame farpado e trincheiras.
As defesas das praias da Normandia eram formadas por casamatas, bunkers contendo canhões de grosso calibre, arame farpado e trincheiras.

Os desembarques foram um desastre.

Em menos de 10 horas, mais de 60% dos 6.000 ingleses, canadenses e tropas americanas que desembarcaram nas praias foram mortas, feridas ou capturadas. Todos os 28 blindados que alcançaram as praias com eles – algo essencial se as tropas conseguissem penetrar as defesas alemãs – foram destruídos. Muitos ficaram atolados, impossibilitados de moverem-se no solo arenoso e foram alvos de armas anti-carro alemãs.

O grande fracasso nos desembarques em Dieppe ensinaram muito aos aliados. A tentativa de capturar portos fortemente defendidos foi provada como sendo um fracasso à vista dos comandantes. Tropas tiveram de desembarcar em praias de areia muito fofa, e os blindados foi dada a tarefa de abrir caminho através das praias sobre os bancos de areia e outros obstáculos construídos pelos alemães.

Parecia que, apenas um homem, teria uma solução. E dois anos depois, sua frota altamente especializada – e composta por blindados bizarros – tornaria-se um dos maiores motivos que provariam o Dia-D como sendo uma operação de total sucesso.

O nome era Percy Hobart, um comandante britânico visionário. Durante a Primeira Guerra Mundial ele serviu na França e Mesopotamia (atualmente Iraque) e em 1920 ele já vinha percebendo o grande potencial dos carros de combate nos campos de batalha modernos.

Naquela época os primeiros blindados eram primitivos, designs pioneiros nasciam ao passo de um senhor de 90 anos a passos curtos. Estes blindados viriam a surgir apenas nos últimos dois anos da Grande Guerra, ainda assim, provaram-se como um fator decisivo durante as últimas ofensivas aliadas sobre as trincheiras alemãs. Após a Primeira Guerra Mundial, libertos da Guerra de Trincheiras, os blindados diminuíram de escala, ganharam mais velocidade e mobilidade. Um novo conceito de blindados seriam algo como as cargas de cavalaria do passado mas de cara nova.

David Willey, o curador do Britain’s Tank Museum em Bovington, alega que Hobart tornou-se pioneiro na cavalaria mecanizada com uma incrível rapidez. Em 1934, Hobart tornou-se inspetor do Royal Tank Corps, e encarregado de táticas utilizando estes blindados. Ele foi uma figura tão influente que Heinz Guderian, um dos grandes estrategistas alemães das batalhas de blindados e um grande nome nas primeiras vitórias alemãs na Segunda Guerra Mundial, traduziu seus relatórios e os estudou intensamente, diz Willey.

Hobart baseou suas ágeis colunas de blindados nas estratégias de batalhas dos Mongóis utilizadas durante a Idade Média, e foi um dos primeiros comandantes a prever que aviões poderiam dar cobertura e suprimento muita além das frentes inimigas.

Mas após treinar uma nova unidade no deserto do norte da África, Hobart foi forçado a se aposentar – parte, ao que se entende, devido à sua hostilidade e formas “inconvencionais” de estratégias militares utilizando blindados. Como a Inglaterra já vinha sofrendo ameaças de invasão, seu grande expert foi demovido a patente de cabo, e forçado a servir a Guarda Real numa pequena vila chamada Cotswolds, onde vivia.

“Nós temos aqui no museu o “bastão” que foi lhe presenteado – muito dos equipamentos militares ingleses foram deixados na França, então ao invés de um rifle ele tinha uma espécie de bastão com uma baioneta conectada em uma de suas extremidades. Era isso que ele usaria se os alemães tivessem nos invadido.”

Bernard Montgomery, um dos mais respeitados comandantes britânicos, soube que Hobart havia recebido dispensa; Hobart tinha uma má reputação por ser áspero demais, e tinha uma tendência de tratar pessoas de maneira errada.

O blindado DD, o blindado nadador, visto aqui com sua cortina de lona rebaixada
O blindado DD, o blindado nadador, visto aqui com sua cortina de lona rebaixada

Uma reunião entre Hobart e o Primeiro Ministro Winston Churchill foi então organizada; Willey diz que Hobart perguntou se deveria “guardar seu uniforme de Guarda Real e vestir seu velho uniforme de guerra”. Após a reunião, Hobart foi reintegrado e recebeu a tarefa de utilizar seus conhecimentos para melhorar as táticas e tecnologias da cavalaria blindada inglesa.

Após as ameaças iminentes de uma invasão alemã terem diminuído significativamente após a vitória inglesa na Batalha da Grã-Bretanha, o planejamento estratégico militar voltou-se para como os ingleses fariam um possível desembarque nas praias da Normandia e adentrar em território francês. Os alemães haviam preparado grandes defesas que viriam a ser chamadas de Muro do Atlântico, E estendiam-se desde a fronteira franco-espanhola até o norte da Noruega. Quaisquer praias que pudessem ser usadas como chão seguro para um desembarque era defendida por enormes estruturas de concreto portando grandes canhões, casamatas, trincheiras e valas anti-carro juntamente com extensos campos minados.

Quando os aliados invadiram a França em 6 de junho de 1944, cinco praias da costa da Normandia foram utilizadas. As tropas desembarcaram utilizando uma frota de blindados especializados que Hobart – contando com suas experiências em Dieppe – havia ajudado a desenhar e colocar em funcionamento. Os blindados ficaram conhecidos como “Brinquedos de Hobart”. Eles foram utilizados nas praias invadidas pelos canadenses e britânicos – Gold, Sword, e Juno – e foram um sucesso.

Hobart havia percebido que uma força de invasão precisaria de muito mais suporte de blindados – e seu momento mais vulnerável se dava quando abriam caminho entre as águas e areias da praia e terra firme. A solução foi a criação do Sherman DD (Duplex Drive) – o “blindado nadador”.

O Sherman DD exibido no Museu de Bovington, completo, contendo a cortina de lona em canvas que uma vez estendida, ajudava a fazer com o que o blindado pudesse flutuar em mar aberto. O motor movimentava uma hélice instalada na traseira, que permitia que o DD flutuasse em direção a praia a uma velocidade de 8km/h. A lona foi desenhada para suportar ondas de até 30cm – a tripulação, sem contar o motorista, permanecia do lado de fora, sobre o blindado para que fosse mais fácil de saltar em caso de o blindado afundar.

O plano era desembarcar os blindados à partir de seu transporte naval a alguns quilômetros de distância da praia para reduzir o risco de serem atingidos por disparos de artilharia, testes mostraram que os blindados provavelmente teriam mais chances de sobreviver se fossem lançados mais próximos da praia.

Aqui o Sherman Açoitador limpando campos minados e cercas de arame farpado
Aqui o Sherman Açoitador limpando campos minados e cercas de arame farpado

Durante o Dia-D, a maioria dos DDs combatendo ao lado dos ingleses e canadenses – nas praias Gold, Sword e Juno – foram lançados bem próximos a praia; o mar estava mais bravio do que o esperado, e os comandantes decidiram trazer os navios mais próximos da praia para dar uma chance de sucesso maior aos blindados.

Porém, durante os desembarques americanos – praias de codinome Utah e Omaha – os DDs foram um fracasso. Os comandantes americanos mantiveram o plano inicial de lançar seus blindados de até 3km de distância das praias. Em Omaha, a maioria dos DDs afundaram com as ondas.

Alguns destes DDs desembarcaram nas outras praias, utilizando sua cortina de lona, e assim, capazes de combater como um blindado convencional. Em sua retaguarda vinham as invenções únicas criadas por Hobart, cada uma delas com uma tarefa em particular.

Em meio aos mais bizarros estava o “Caranguejo” (Crab). Um Sherman portando uma sequência açoites (boleadeiras) – um grande tambor com correntes que golpeavam o solo a 140 rpm. O impacto serviria para detonar quaisquer minas enterradas à frente, e outros blindados poderiam então manobrar na retaguarda livres de ameaças.

O Sherman Crab abriria caminho através do campo minado, e faria o mesmo através de arame farpado. Os tripulantes eram informados de que se eles deixassem qualquer buraco para trás, a grande invasão ocorrendo em sua retaguarda iria falhar.

Não eram apenas as defesas alemãs que poderiam causar problemas – a praia em si poderia ser um grande fardo. Parte das preparações para o Dia-D foi feita por unidades de reconhecimento que foram secretamente às praias para coletar areia, e concluir se o solo era firme o suficiente para os blindados.

“Durante seu treinamento, eles tentaram encontrar praias contendo a mesma topografia geográfica,” diz o curador do Museu de Guerra, Paul Cornish. “E lá eles encontraram um certo tipo de areia, que chamaram de argila azul, cuja densidade causou o atolamento de vários veículos. Era um novo desafio.”

Muitas das invenções de Hobart foram feitas utilizando blindados modelo Churchill
Muitas das invenções de Hobart foram feitas utilizando blindados modelo Churchill

Novamente, Hobart e sua equipe encontraram uma solução; o Churchill Bobbin (bobina). Uma modificação do carro de combate inglês contendo duas hastes carregando uma grande bobina enrolada com uma esteira de tecido. Enquanto o blindado movia-se para a frente, a bobina desenrolaria o tecido sobre o solo, criando um carpete para que os blindados pudessem mover-se sem entraves. Este carpete possuía 3m de largura por 60m de comprimento.

“Este foi um dos mais extraordinários inventos em veículos de toda a guerra,” diz Cornish. “Se você pudesse imaginar a expressão dos alemães ao verem esta máquina movendo-se na praia. Eles devem ter ficado totalmente impressionados com o que estavam assistindo em sua frente.”

Outros Churchills receberam variações, um deles era o Churchill AVRE (Armoured Vehicle Royal Engineers), que carregava um grande morteiro feito para esfacelar concreto. Eles não haviam sido desenhados para combater outros blindados, mas para disparar contra os bunkers ou até mesmo muros de concreto, criando grandes crateras onde tropas e outros blindados pudessem fluir através delas.

O efeito dos AVRE era mais do que físico. Este morteiro gigante que disparava cargas do tamanho de lixeiras. As explosões eram enormes. Havia um fator psicológico crucial resultantes dos disparos destes blindados. Os AVREs tornaram-se ainda mais valiosos em terra firme, com seu morteiro provando-se ainda mais eficiente em áreas urbanas.

A engenhosidade dos veículos de Hobart ainda não terminou. Muitos Churchills caminharam sobre as praias da Normandia carregando toras e gravetos – um grande monte de madeira que seria despejado em uma vala para permitir que blindados pudessem atravessá-las. Alguns blindados já utilizavam esta técnica durante a Primeira Guerra Mundial, mas o conceito não contava com nada de novo – esta técnica usada para tapar valas remonta desde a Era Romana.

O morteiro gigante do AVRE podia disparar cargas de até 20kg do tamanho de lixeiras
O morteiro gigante do AVRE podia disparar cargas de até 20kg do tamanho de lixeiras

Por muitas vezes, estes problemas eram resolvidos como sendo problemas diferentes, mas as técnicas eram as mesmas. A genialidade de Hobart era sua habilidade em criar ideias – e mesmo usando velhas técnicas, elas poderiam ser melhoradas para adequarem-se às necessidades da guerra moderna.

Dentre os “brinquedos” também incluíam grandes blindados carregando pontes – alguns Churchills continham estruturas removíveis que poderiam ser posicionadas sobre largas valas, riachos ou para repor pontes que haviam sido destruídas durante batalhas. E eram resistentes o suficiente para carregarem os mais pesados blindados.

Para os grandes bancos de areia haviam os Churchill Ark. O Ark não possuía torre, e era equipado com rampas na parte frontal e traseira de sua carcaça. Ele era posicionado próximo a um banco de areia ou um grande obstáculo para que outros blindados pudessem transpor estes obstáculos.

Outros blindados eram apenas tratores dirigidos por engenheiros, que poderiam remover blindados destruídos ou fazer a limpeza de estradas em meio aos destroços. Eles também eram capazes de instalar cargas de explosivos sobre obstáculos e detoná-los de uma distância segura.

Alguns Churchills foram apelidados de “Crocodilos” (Crocodile), e portavam lança-chamas. Assim como os AVREs, estes blindados eram capazes de abrir caminho entre as tropas inimigas evitando um número significativo de baixas aliadas – a sensação de ser queimado vivo era sempre um medo constante para os defensores alemães. Em alguns casos os crocodilos movendo-se em direção a orla testavam seus lança-chamas desferindo alguns jatos, e grupos de alemães rendiam-se imediatamente sem que outro disparo fosse feito.

O Churchill Crocodilo era armado com lança-chamas, algo assustador para o inimigo
O Churchill Crocodilo era armado com lança-chamas, algo assustador para o inimigo

Armas como o AVRE e o Crocodilo parecem algo barbárico demais, mas Hobart estava ciente de que o emprego destas armas salvaria vidas em ambos os lados. Na época em que os desembarques aconteceram, a Inglaterra já estava em guerra por nove anos. Durante os preparativos da invasão, Montgomery, o comandante supremo inglês, teve de fundir várias unidades pelo fato de que as forças armadas inglesas já estavam ficando sem combatentes suficientes.

Para os “brinquedos”, o Dia-D era apenas o começo. Muitos dos veículos provaram sua exímia eficiência durante a Batalha de Villers-Bocage, que ocorreu nas vias estreitas cercadas por vegetação nas áreas adjacentes as praias da Normandia. Forças americanas, que inicialmente julgaram que as invenções de Hobart eram bizarras e ineficientes demais para o combate, acabaram por usá-las tanto quanto os britânicos mais tarde.

Ao final da guerra, a 79ª Divisão Blindada – a unidade encarregada de utilizar os “brinquedos” – foi a maior unidade mecanizada da Europa. Os blindados bizarros foram posteriormente empregados em pequenos grupos onde via-se sua necessidade, uma estratégia flexível que ampliava o alcance e a eficiência destas unidades.

A outra grande vantagem destes blindados era que, fora seus motoristas, eles eram tripulados por engenheiros. Estes sim eram os experts. Uma das grandes forças do Exército Real Britânico na Normandia era constituída por estes engenheiros especialistas em remover ou atravessar obstáculos com exímia rapidez.

O Ark era usado como rampa para que outros blindados pudessem transpor obstáculos grandes no meio do campo de batalha
O Ark era usado como rampa para que outros blindados pudessem transpor obstáculos grandes no meio do campo de batalha

Hobart foi um homem que fazia as coisas acontecerem. Era o homem certo na hora certa. E era muito determinado.

Haviam muitas histórias sobre ele entrando em seu carro e dirigindo a velocidades perigosíssimas à noite rumo a algum lugar onde havia algo sendo testado – “Teremos isto funcionando à todo vapor pela manhã, certo?” Dizia Hobart impondo sua fala sobre os encarregados.

Ele era também um homem que poderia extrair ou melhorar uma boa ideia à partir da fala de qualquer um. Não importava se fosse um cabo, um major aposentado, ou um cientista. Se você tivesse uma boa ideia, ele iria ouvi-la.

Setenta anos depois do fim da Segunda Guerra Mundial, a maioria dos exércitos no mundo usam blindados especiais que não criariam uma imagem bizarra se compusessem a força de blindados de Hobart naquela época. Os “brinquedos de Hobart” afinal, não tinham nada de brinquedos.

Fonte: BBC

 

0 8759

Esta fantástica série de fotografias raras coloridas à mão que retratam vários Samurais entre os anos de 1863 e 1900, foram descobertas por Retronaut, estas imagens mostram a última fase da existência desta classe, que culminou com a Restauração Meiji.

No começo da história dos samurais, estes não eram mais que simples servidores do Império, e só no século XII é que estes se elevaram para uma posição de privilégio e dominação política e social sobre a população japonesa.

Esta classe militar e aristocrática do Japão feudal seguia o código de honra que dá pelo nome de Bushido, um rígido código moral influenciado pelo Budismo, Xintoísmo e Confucionismo e que ainda hoje prevalece na cultura japonesa. Coragem, benevolência, sinceridade, lealdade e autocontrolo eram algumas das principais virtudes que regiam a vida destes guerreiros, lado a lado com as artes marciais.

Estas cativantes imagens permitem espreitar em detalhe as intricadas indumentárias destes soldados e até mesmo a sua arte corporal. Com as reformas da Era Meiji no final do século XIX e o fim do feudalismo, a classe dos samurais acabou por ser abolida. O fascínio por esta mítica classe guerreira mantém-se, no entanto, bem presente até aos dias de hoje.

fotografias-raras-samurais-2 fotografias-raras-samurais-3 fotografias-raras-samurais-4 fotografias-raras-samurais-5 fotografias-raras-samurais-6 fotografias-raras-samurais-7 fotografias-raras-samurais-8 fotografias-raras-samurais-9 fotografias-raras-samurais-10 fotografias-raras-samurais-11 fotografias-raras-samurais-12 fotografias-raras-samurais-13 fotografias-raras-samurais-14 fotografias-raras-samurais-15 fotografias-raras-samurais-16

RANDOM POSTS

0 236
  Passados 3 meses desde o lançamento do filme (12 de Julho de 2017), creio que todos os nossos leitores provavelmente já assistiram este nostálgico...