Em março de 1945, os artilheiros soviéticos que defendiam as cabeças-de-ponte no Rio Oder não acreditavam no que os seus olhos viam. Ao longe avistava-se um avião com uma estranha silhueta. O aparelho picou em grande velocidade e, depois, pareceu dividir-se em dois. A parte menor virou, afastando-se bruscamente, enquanto a maior continuava a aproximar-se. Os russos não sabiam, mas estavam sendo atacados pela maior bomba voadora com características muito particulares, como recorda um dos pilotos daquele tempo: “Mergulhamos num vertiginoso voo picado, para ganhar velocidade e atingir os 600 km/h. O Oberfeldwebel (primeiro-sargento) que comandava a formação, começou a sua aproximação final, apontando para as pontes do Sul. Pouco tempo depois, picou ainda mais, e eu o segui. Tive de fazer um esforço para manter o objetivo, uma ponte ferroviária em Steinau, no centro da minha mira”.

Voar com os nervos

“Esta era a fase mais importante da missão. Era preciso manter firmemente o avião no rumo para aproximação final. O menor desvio influenciaria os delicados giroscópios do piloto automático que controlava a enorme bomba voadora que estava debaixo do meu caça. Era uma experiência que chamamos “voar com os nervos”, especialmente quando se tratava de ataques sobre alvos bem defendidos. O ponto ideal para a largada era a cerca de mil metros do objetivo; a essa distância a bomba voadora dificilmente falharia o seu objetivo; mas a artilharia antiaérea inimiga também não falhava. O velocímetro indicava 650 km/h e o Mistel continuava o seu voo picado. O piloto automático estava funcionando perfeitamente e o conjunto avião-bomba voadora podia voar sem intervenção do piloto. Mas, onde estava a temida antiaérea inimiga?”

“Já podia distinguir claramente todos os pormenores da ponte: uma estrutura de vigas de ferro apoiada sobre sólidos pilares de alvenaria. Para ter certeza de que seria destruída, mesmo tendo uma ogiva de 3T, o Mistel devia acertar em cheio um dos pilares, o que requeria uma precisão milimétrica e uma boa dose de sorte.

“Podia ver uma seção de ponte centrada na minha mira. Uma pequena correção e o retângulo luminoso coincidia perfeitamente com um dos pilares da ponte. Vamos lá! Uma ligeira pressão sobre o botão de lançamento foi seguida pelo som abafado das cavilhas explosivas, e de repente meu BF109 estava livre. Uma brusca guinada para oeste e começo a retirada”.

Onde está a ponte?

“Um aluvião enorme foi cuspido para fora do céu. Devido à grande nuvem de fumaça que cobria a ponte, não consegui perceber se era água, lama, terra ou a sólida estrutura da pontem mas agora tinha outras coisas em que pensar. Passada a surpresa, os artilheiros soviéticos começaram a disparar a esmo. De repente, outro avião surge ao meu lado; após um instante de terror, reconheço o BF109 que estava sobre o Mistel que encabeçava o ataque, o medo deu lugar a um enorme alívio. Ambos levantamos os polegares em sinal de satisfação. Nenhum problema! Não sabíamos bem onde estávamos, mas não sendo “marinheiros de primeira viagem”, não seria um problema descobrir e reconhecer uma estrada de ferro, um povoado ou uma estrada para nos orientarmos em plena luz do dia. Além disso, tínhamos completado com sucesso a nossa primeira missão com o Mistel!”

Mistel 2

A ideia de um avião montado sobre o dorso de outro não era nova. Os ingleses haviam feito o mesmo com um hidroavião Short Mayo, originalmente projetado para o serviço postal transatlântico.

A aplicação da Luftwaffe era ligeiramente diferente. Durante grande parte da Segunda Guerra Mundial, a Alemanha não teve um bombardeiro pesado de longo alcance. No entanto, um dos objetivos que o Oberkommando der Wehrmacth (Comando Supremo Alemão) queria atingir, nas Ilhas Órcadas, ao norte da Escócia requeria uma enorme quantidade de bombas e de autonomia. O Mistel parecia a resposta adequada. A teoria era simples: um bombardeiro bimotor. não pilotado, seria repleto de explosivos e conduzido até o alvo por um avião menor, montado sobre o dorso. As primeiras experiências começaram em 1942.

A combinação definitiva

Em 1943 encontrou-se a combinação perfeita, associando-se o velho bombardeiro Junkers Ju 88 a um caça Fw 190 ou a um BF 109. O piloto do caça pilotava o conjunto utilizando os motores do bombardeiro até o momento da separação.

Assim, ambos os componentes aumentavam o seu raio de ação, o bombardeiro por que não tinha de voltar, o caça porque não gastava combustível na ida. Como bombas voadoras, os Ju 88 eram impressionantes: eram reconstruídos para transportar uma carga oca de 3,8T, com um detonador muito sofisticado. Durante os testes, a carga tinha perfurado, sem dificuldade, até 8m de aço e 20m de cimento armado reforçado.

Os primeiros Mistel entraram em serviço numa unidade especial da Luftwaffe, a KG 200, em maio de 1944. No entanto, o ataque a Scapa Flow teve que ser abandonado quando o desembarque na Normandia criou objetivos novos e mais urgentes. Foram realizadas algumas missões relativamente bem sucedidas contra os cais flutuantes dos portos aliados, ao longo das praias de desembarque.

Foram reunidos na Dinamarca quase 60 Mistel 1 operacionais, para atacarem a frota britânica em Scapa Flow. A operação foi várias vezes adiada devido às péssimas condições meteorológicas e, finalmente, cancelada.

Os Mistel só voltaram a ser utilizados em 1945, quando a situação da Alemanha ficou desesperadora. Foi então planejado um ataque estratégico contra usinas elétricas nos arredores de Moscou, que foi posteriormente abandonado, e os Mistel foram utilizados no vão esforço de bloquear o avanço do Exército Vermelho, destruindo pontes. Durante algumas semanas, pareceu que os Mistel estavam fazendo milagres, mas o sucesso era ilusório. O inimigo soviético era forte demais e os Mistel eram como gotas d’água num incêndio devastador.


Desenvolvimento do Mistel

Nos primeiros voos do mistel, em 1942, usou-se um avião ligeiro de ligação montado no dorso de um planador rebocado por um Ju 52 de transporte. Os testes levaram ao protótipo MIstel 1: uma combinação de caça e bombardeiro.

A combinação BF 109/Ju 88, foi a primeira a entrar em serviço. Pouco depois do desembarque na Normandia, em junho de 1944, os Mistel 1 baseados na Franla realizaram ataques contra a navegação aliada na Baia do Sena.

Mistel 1

Depois dos ataques sobre o Sena, 75 caças noturnos Ju 88G foram transformados em Mistel 2 com um caça Fw 190A-8 como avião de comando. A falta de Ju 88G-1 levou ao Mistel S.3A. A combinação Ju 88A-6/Fw 190 causou problemas, poisos aviões usavam combustíveis diferentes. Devido à sua baixa autonomia, esses aviões eram utilizados para treinamento.

Mistel 2

Os novos caças Ju 88 Zerstörer foram usados como componente inferior do Mistel. O modelo final foi o Fuehrugsmaschine, que acoplava um caça Fw 190A-8 a um Ju 88H-4. Esse binômio deveria ter funcionado como avião de guia e exploração de grande alcance.

Mistel S.3A, junção do Ju 88A-6 com um Fw 190 sobre o dorso

Destruidor de pontes

O Mistel 1 foi a principal combinação operacional e obteve o seu maior sucesso em março de 1945. Usado para bloquear o avanço soviético em zonas estrategicamente importantes como as pontes do Oder e do Neisse ( a menos de 80 km de Berlim) e a ponte ferroviária de Steinau, conseguiu deter os soviéticos durante dois dias.

[caption id="attachment_1864" align="aligncenter" width="1100"] Mistel 1[/caption]


Mistel 2 – Março de 1945

Conhecido como “Vater und Sohn” (pai e filho), por uns desenhos animados, populares na época, essa combinação foi utilizada pelo KG 200, a unicade especial da Luftwaffe para missões clandestinas.

Este Mistel 2, um dos aparelhos destinados à Operação Eisenhammer, foi capturado intacto pelo Exército dos Estados Unidos.
  • Ambos os aviões eram propulsados por motores radiais BMW 801 e usavam o mesmo combustível
BMW 801
  • O componente superior do Mistel 2 dispunha de uma segunda série de instrumentos e comandos para os motores do componente inferior. A ligação era feita através de simples cabos elétricos que passavam por dentro da estrutura de suporte.
  • Ao chegar perto do alvo, o piloto regulava o comando do componente inferior, para poder aproximar-ase em voo planado. O suporte posterior deformava-se de modo que o caça abaixava a cauda e elevava o nariz. A separação efetuava-se através de um sistema pirotécnico.

 

  • O cockpit original do Ju 88 foi substituído por uma ogiva de carga oca de 3,8T. O detonador de impacto fazia explodir a ogiva pouco antes que o bombardeiro se chocasse contra o alvo.


Caderno de Missões
  • 1943. São realizados com sucesso alguns testes de ataque contra o velho couraçado francês Ocean;
  • Junho 1944. Pouco depois do desembarque na Normandia, quatro Mistel atacam navios aliados na baía do Sena. São atingidos, mas não afundam;
  • Dezembro 1944. Um “golpe decisivo” contra a Home Fleet britânica, em Scapa Flow, é cancelado devido ao mau tempo;
  • Março de 1945. Outro “golpe falho”: a Operação Eisenhammer (martelo de ferro), contra a indústria soviética, é cancelada quando o Exército Vermelho conquista as bases do Mistel na Prússia Oriental;
  • Março 1945. Tem início os ataques contra as pontes de importância estratégica na vã tentativa de brecar o Exército Vermelho;
  • Foram fabricados pelo menos 250 Mistel. Muitos foram capturados intactos após a capitulação da Alemanha.

Fonte: Asas de Guerra