"Vamos apenas considerar que eu fui das forças especiais e já está de bom tamanho" disse ele.

“Quando a Segunda Guerra acabou eu tinha 23 anos e já tinha visto coisas horríveis o suficiente para lembrar a vida toda,” disse o ator.

Lee, que morreu no dia 7 de junho no Hospital de Londres aos 93 anos, havia já muito festejado como ícone do cinema mas o ator – que falava várias línguas – também era membro do SAS durante a Segunda Guerra Mundial.

Nascido em 1922 em Belgravia filho de uma illustre figura da realeza italiana, modelo da Chanel e um coronel de exército, Lee foi educado em casa antes de se juntar à Força Aérea Real em 1940.

Antes da Inglaterra se juntar ao conflito, o então garoto de 18 anos já havia trabalhado ao lado dos finlandeses na Guerra de Inverno contra os russos como voluntário em 1939.

Lee foi integrado ao precursor do SAS, conhecido como Longe range Desert Group (LRDG – Grupo de Longo Alcande do Deserto), no norte da África em 1941. Inúmeros registros mostram seus feitos atrás das linhas inimigas, destruindo aeródromos da Luftwaffe, até que foi remanejado ao exército e servido juntamente com o Regimento Gurkha.

Long Range Desert Patrol
Long Range Desert Patrol

“Eu era incorporado no SAS de tempos em tempos mas somos proibidos – antes, hoje, e no futuro – de discutir ou expor quaisquer operações específicas. Digamos que eu já estive nas Forças Especiais e já está de bom tamanho. As pessoas podem fazer as análises que quiserem em cima disso,” disse ele em 2011.

Como tarefa de um oficial de inteligência no 260º Esquadrão da RAF, ele frequentemente prevenia pequenos motins depois que as tropas – frustradas com a falta de notícias do fronte leste – ameaçavam iniciar para quebrar a hierarquia.

Long range Desert Group (LRDG)
Long range Desert Group (LRDG)

Seguindo seu trabalho com o LRDG, e levando em consideração seus skills em línguas que gerava impressões favoráveis a oficiais de alta patente, ele foi integrado ao Departamento Executivo de Operações Especiais, conduzindo missões de reconhecimento na Europa ocupada e rastreando criminosos nazistas.

“Eram nos dados dossiês sobre o que eles haviam feito nos ordenando a encontrá-los, interrogá-los o máximo que podíamos e após isso entregá-los à autoridades apropriadas.”

Lee no cinema

Captura de Tela 2015-06-25 às 09.13.45 Captura de Tela 2015-06-25 às 09.14.38 Captura de Tela 2015-06-25 às 09.14.30 Captura de Tela 2015-06-25 às 09.14.24 Captura de Tela 2015-06-25 às 09.14.16 Captura de Tela 2015-06-25 às 09.14.09 Captura de Tela 2015-06-25 às 09.14.00 Captura de Tela 2015-06-25 às 09.13.53

Como resultado, Lee, que quase morreu duas vezes durante a guerra, foi apelidado de Duque ou Espião, sendo testemunha do desfecho devastador dos campos de concentração em primeira mão.

“Nós vimos estes campos. Alguns haviam sido evacuados. Alguns não,” disse ele em 2009.

No entanto, ele raramente falava sobre suas experiências durante a guerra, ao final de sua vida ele descrevia seu testemunho como sendo algo de “horror real e muito sangue.”

“Eu vi coisas tenebrosas, horríveis, sem dizer uma palavra,” disse ele a um entrevistador, explicando como o terror em filmes “não me afeta muito.”

Christopher Lee SAS

“Eu vi muitas pessoas morrerem na minha frente – tantos que de fato eu me tornei uma pessoa mais dura em relação a isso. Tendo visto o pior que o ser humano pode fazer para outro, os resultados de torturas, mutilações e ver alguém ser explodido em pedaços por bombas e artilharia, você desenvolve um certo tipo de bloqueio. Mas você precisa, você era obrigado a se tornar alguém assim automaticamente. Caso contrário nós nunca teríamos vencido.

Curiosidades:

O perfurar da lâmina
Christopher Lee como Saruman em o Senhor dos Anéis: As Duas Torres
Christopher Lee como Saruman em o Senhor dos Anéis as Duas Torres

Enquanto alguns podem apenas tentar adivinhar o tipo de situações secretas em que Lee se deparou durante seu trabalho pelo SAS, um incidente envolvendo as filmagens do Senhor dos Anéis dá um insight do tipo de ação que ele viu. E uma cena reservada para a versão estendida do Retorno do Rei, Grima Wormtongue esfaqueia Saruman pelas costas. O diretor Peter Jackson estava orientando os atores em como efetuar a cena, quando algo inesperado aconteceu. Christopher Lee perguntou a Jackson se ele sabia qual era o som de alguém sendo esfaqueado pelas costas. Ele então disse: “Porque eu sei.”

Christopher Lee Saruman SAS
Bastidores das gravações de O Senhor dos Anéis: As Duas Torres

De acordo com Peter Jackson, Christopher Lee então iniciou uma explicação sobre “algumas missões secretas da Segunda Guerra Mundial,” entretanto, como sempre, ele escondia os detalhes. Jackson queria que ele gritasse quando fosse esfaqueado. Lee explicou que quando você é esfaqueado, “o fôlego escapa pela perfuração da lâmina, para fora do seu pulmão,” e assim deu uma boa noção de como isso realmente soaria – mais como um grito abafado, ou curto.

Metaleiro

Algo que não deixa de ser interessante, é que Lee, além de ser um grande ator, falar várias línguas e ter sido membro do SAS, ele ainda também foi metaleiro e lançou alguns álbums.

Fonte: The Telegraph