Ao longo da história, em diferentes locais, existem registros de pessoas que colecionavam objetos como uma forma de entretenimento, um “hobby”, ou como uma atividade mais profunda ou científica para o desenvolvimento do aprendizado, ou fins culturais e museológicos.

colecionador1Hoje grandes acervos particulares estão nos melhores museus do mundo, e, se estes homens e mulheres não exercessem esta atividade, o conhecimento que temos do nosso passado seria fraco e cheio de lacunas.

Notem a importância de coletar, guardar, condicionar e preservar objetos para a nossa humanidade.

Dificilmente encontramos uma pessoa que nunca teve uma coleção, ou tentou colecionar alguma coisa. Qualquer tentativa de colecionar ajuda a preservação da nossa história e o crescimento cultural dos indivíduos.

colecionador5

O colecionismo de objetos militares é muito antigo, mais antigo que coleções de selos e cédulas (numismática), carros e quadros.

Os antigos soldados traziam seus troféus de guerra conquistados nos campos de batalha para glorificar seus feitos, auxiliar no estudo sobre seus inimigos e nos ensinamentos para futuros guerreiros. Esta prática vem desde a Idade das Cavernas até os dias de hoje.

Os colecionadores de militaria (a arte de conservar e estudar objetos militares) necessitam ter um plano para a sua coleção: visar a uma boa estruturação, pesquisar sobre seus objetos e ter uma boa relação com terceiros.

Com o tempo, estas aptidões vão aumentando e a capacidade de aquisições também, já que, quanto mais conhecimentos e pesquisas, melhor o colecionador.

O estudo, a observação, a curiosidade e a coragem (sim, coragem) tornam uma coleção bonita e envolvente.

colecionador4-300x198Investimento numa coleção não traz retorno financeiro, traz retorno pessoal em conhecimento, autoestima, satisfação, cultura e especialização.

A qualidade deve sempre estar em conta, da pequena à grande coleção. Isto garante uma segurança, afinal, como foi comentado, coleção não traz lucro, mas pode virar um capital (riqueza), dependendo do que há no acervo.

Cuidado: a realização obsessiva pode causar prejuízos ao colecionador; se o “hobby” passar a ocupar uma grande parte do seu tempo, poderá causar prejuízos financeiros, pessoais e profissionais. A compulsão deverá ser dominada.

Observando ao longo destes anos, pude notar uma grande concentração de pessoas na faixa dos 40-50 anos, do sexo masculino, mantendo ou iniciando coleções de militaria, mas nos últimos 10 anos as mulheres começaram a aparecer (e são muito benvindas) e jovens também.

colecionador3Nos últimos 15 anos, as coleções de objetos militares aumentaram muito, por conta da facilidade na obtenção causada pela internet, bem como pelo sucesso de filmes de cinema e séries de TV, como “O Resgate do Soldado Ryan” e “Band of Brothers”. A indústria do cinema sempre potencializou a vontade de estudar e de ter objetos que vemos em filmes desde as produções da Segunda Guerra Mundial nos anos 40 até os anos 70, motivo pela grande concentração de público com a faixa etária apontada acima.

Acredito que a militaria teve dois grandes marcos impulsionadores nas últimas décadas: os filmes e seriados dos anos 60-70 e a criação do Mundo Digital nos anos 2000.

Os interessados em possuir um verdadeiro pedaço da história deve ter em mente algumas regras:

  • FOCO: tem gente que coleciona de tudo, de capacetes a uniformes completos. Tudo bem, mas vamos com calma… Olha a compulsão! Concentre-se inicialmente em completar um manequim ou display (conjunto de objetos de uma pessoa ou organização militar ou medalhas de uma força ou país) por vez, lembrando sempre da qualidade. Escolha uma nação, força militar ou época para uma melhor concentração de esforços e estudo. O próprio interesse na história poderá te ajudar a decidir o que focar;
  • COMPRAR COM SEGURANÇA: tenha em mente, o que é raro é caro. Cuidado com ofertas milagrosas ou encantadoras. A economia comprova: quanto mais gente interessada num produto, maior o preço. Nos anos 80, um capacete de paraquedista alemão custava uns 400/500 dólares e um capacete M1C de paraquedista americano uns $ 120. Hoje um capacete Fallschirmjäger não sai por menos de 7.000 dólares e um capacete de paraquedista americano por menos de 1.500 dólares. O que provocou isto? Filmes de guerra criam um aumento de colecionadores, e fatores econômicos como a desvalorização da moeda podem ajudar também, mas para mim o principal fator é a concorrência entre colecionadores que ajuda a inflacionar os produtos e criar mercado para falsificadores para atender a demanda. A qualidade das falsificações vem aumentando muito ao ponto de ser quase impossível atestar a veracidade ou não de certos objetos;

colecionador6-271x300

  • INVESTIMENTO EM CONHECIMENTO: a leitura de livros especializados, a análise e o estudo devem ser premissas, mas não acreditem em tudo que esta escrito, sejam críticos. A participação em fóruns na internet é fundamental para o aumento do conhecimento e de relações com pessoas que gostam das mesmas coisas que você, mas novamente, cuidado, existem pessoas bem-intencionadas ou não, como em qualquer agrupamento de seres humanos que envolvem emoções, inveja e sentimentos. Ensinamentos obtidos em boas leituras, em comentários em tópicos de fóruns e em conversas entre colecionadores ajudarão muito na sua coleção. Sou muito grato pelo que eu aprendi com colegas e escritores;
  • BUSQUE OS MELHORES E CONFIÁVEIS VENDEDORES: pesquisem a reputação em comentários de compradores em fóruns da internet. Às vezes o melhor especialista é um péssimo vendedor e/ou comprador e vice-versa. Separe os bem-intencionados dos que querem somente ganhar dinheiro e vantagens. Leilões virtuais requerem um bom conhecimento técnico para identificação e avaliação de um objeto que pode estar a milhares de quilômetros de você. Cuidado com reproduções e maus negócios. Em minha opinião, o melhor jeito é a compra entre colecionadores e amigos;

colecionador7-199x300

  • CONSERVE BEM A SUA COLEÇÃO: saiba acondicionar e conservar seus objetos de coleção. Nunca tente economizar nisto, afinal, é a história que está em suas mãos. O tempo, a umidade, a poeira, a luz, o manuseio e os insetos são seus principais inimigos. Aprenda como controlá-los em literaturas especializadas e com os mais experientes. Sempre seja crítico. Conselhos mal dados sempre podem ser repassados, intencionalmente ou não. DICA: sempre use luvas de algodão e nunca mexa no seu acervo em dias de chuva;
  • SEJA RESPONSÁVEL: ter algo histórico, mesmo que seja uma única peça, já o deixa como “fiel depositário” de algo que foi de alguém e passou por “n” situações. Seja um guardião de fato, zelando para futuras gerações a memória de quem necessitou disto. É uma forma de você também estar na história.

colecionador8

BOA CAÇADA E COLEÇÃO!

admin-ajaxRicardo M. Nácul, 45 anos, administrador de empresas, especialista em Marketing e Planejamento Estratégico, empresário no ramo da Educação, colecionador e pesquisador de militaria há mais de 30 anos, palestrante e expositor de assuntos militares em instituições de ensino, colaborador emérito do Exército Brasileiro e da Força Expedicionária Brasileira (FEB), bem como de diversas unidades militares. Vice-presidente (Fundador) da Associação dos Amigos do Museu Militar do CMS e Curador do Museu Militar que em breve será inaugurado na Serra Gaúcha.